Savater

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 19 (4512 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
|


FICHA DE LEITURA

[pic]

O Valor de Educar





“ A humildade do mestre, pelo contrário, consiste em renunciar a demonstrar que está acima dos outros e em esforçar-se por ajudar a subir os outros”





Nome do autor: Fernando Savater


Título: O Valor de Educar


Editores: Editorial Presença, 1ª edição. Publicações Dom Quixote, 2ª edição.


Local e data:Lisboa, Setembro de 1997. Lisboa, Maio de 2006


Informações sobre o autor: Fernando Savater nasceu em San Sebastian em 1947. Catedrático de Ética na Universidade Complutense de Madrid. É autor de uma vasta obra que abarca o ensaio, a narrativa e o teatro. Entre outros galardões, recebeu o Prémio Francisco Cerecedo da Associação de Jornalistas Europeus e o Prémio Sakharov de Direitos Humanos.Fernando Savater é um dos pensadores mais destacados de Espanha e tem vindo a ganhar grande popularidade no mundo inteiro.


Outras obras do autor: As perguntas da Vida; O Meu Dicionário Filosófico; A coragem de escolher; Os dez mandamentos no século XXI; Ética para um jovem; O grande labirinto;


Resumo: Savater aborda temáticas da actualidade na relação entre a escola, a comunidade, afamília. Menciona grandes inquietações do nosso tempo – o racismo, a intolerância, a violência, o abuso de drogas, etc.


Em todos os países de fala da crise da educação e sucedem-se planos de estudo, protestos de estudantes e professores, queixas de pais, debates entre partidários…


Parece então oportuno reflectir sobre as questões essenciais: o que é a educação? O que foi ela nopassado e até onde se pode ir no futuro? O que podemos esperar dela? Consiste na mera transmissão de conhecimento ou deve formar para a cidadania democrática?


Este ensaio de Fernando Savater pretende responder a estas perguntas e também acercar-se de outras questões fundamentais: a tensão educativa entre a disciplina e a liberdade, o eclipse das humanidades, os limites da neutralidade escolar, opapel da família, a formação moral e a sua relação com o sexo, as drogas e a violência, etc.


Trata-se de uma reflexão filosófica. A obra começa com uma carta a uma professora e termina com uma outra destinada a uma ministra da educação.






Citações:


“ Fique assente que considero professores e professoras da escola primária a agremiação mais necessária, maisesforçada e generosa, mais civilizadora para todos os que trabalhamos em vista do cumprimento das exigências de um Estado democrático.” (1997:15)


“ Não basta nascer para se ser homem: é também necessário aprender.” (1997:45)


“ Na família, a criança aprende – ou deveria aprender – aptidões tão fundamentais como falar, cuidar do seu asseio, vestir-se, obedecer aos mais velhos,proteger os mais pequenos (quer dizer, conviver com pessoas de diferentes idades), compartilhar alimentos com os que a rodeiam, participar em jogos colectivos respeitando as suas regras, rezar aos deuses (se a família for religiosa), distinguir elementarmente o que está bem e o que está mal segundo os critérios da comunidade a que pertence, etc.” (1997:63 )


“ Se a educação implica algumatirania, é uma tirania de que, só passando pela educação, conseguiremos mais tarde libertar-nos. “ (1997:69)


“ A educação é sempre uma tentativa de libertar o semelhante da fatalidade zoológica ou da limitação ansiosa da mera experiência pessoal.” (1997:69)


“ (…); não esqueçamos que o mestre, por melhor que seja, só consegue ensinar, mas é a criança quem realiza sempre o actogenial de aprender.” (1997:73)


“ Para despertar a curiosidade dos alunos devemos estimulá-los com algum alimento bem suculento, talvez anedótico ou aparentemente trivial, devemos ser capazes de nos colocar no lugar dos que estão apaixonados por tudo, menos pela matéria cujo estudo vão iniciar.” (1997:88)






Comentário: É um livro que reflecte as grandes inquietações do...
tracking img