Romantismo (poesia)

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1563 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de junho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic] COLÉGIO E FACULDADE ANCHIETA

ROMANTISMO: POESIA

Bárbara Amorim, nº. 03
Bruna Gomes Vieira, nº. 06
Cybelle Teixeira, nº. 10

2º EMC A

Disciplina: Língua Portuguesa (Literatura)
Professora Célia

São Bernardo do Campo
2011
1ª GERAÇÃO: INDIANISTA

O CANTO DO GUERREIRO

I
Aqui na floresta
Dos ventos batida,
Façanhas de bravos
Não geram escravos,
Que estimem a vidaSem guerra e lidar.
— Ouvi-me, Guerreiros,
— Ouvi meu cantar.

II
Valente na guerra
Quem há, como eu sou?
Quem vibra o tacape
Com mais valentia?
Quem golpes daria
Fatais, como eu dou?
— Guerreiros, ouvi-me;
— Quem há como eu sou?

III
Quem guia nos ares
A flecha emplumada,
Ferindo uma presa,
Com tanta certeza,
Na altura arrojada
Onde eu a mandar?
— Guerreiros, ouvi-me,
— Ouvimeu cantar.
(...)

V
Na caça ou na lide,
Quem há que me afronte?!
A onça raivosa
Meus passos conhece,
O imigo estremece,
E a ave medrosa
Se esconde no céu.
— Quem há mais valente,
— Mais destro do que eu?

VI
Se as matas estrujo
Co'os sons do Boré,
Mil arcos se encurvam,
Mil setas lá voam,
Mil gritos reboam,
Mil homens de pé
Eis surgem, respondem
Aos sons do Boré!
— Quem émais valente,
— Mais forte quem é?

(...)
VIII
E o Piaga se ruge
No seu Maracá,
A morte lá paira
Nos ares flechados,
Os campos juncados
De mortos são já:
Mil homens viveram,
Mil homens são lá.

IX
E então se de novo
Eu toco o Boré;
Qual fonte que salta
De rocha empinada,
Que vai marulhosa,
Fremente e queixosa,
Que a raiva apagada
De todos não é,
Tal eles se escoam
Aos sons doBoré.
— Guerreiros, dizei-me,
— Tão forte quem é?

Gonçalves Dias
1. BIOGRAFIA DO AUTOR

Antônio Gonçalves Dias nasceu no ano de 1823 em Caxias, no Maranhão, e faleceu em 1864. Formou-se em Direito na Universidade de Coimbra, retornando ao Brasil em 1845 e viajou pelo Brasil e pela Europa a serviço do governo brasileiro. Em São Luís fracassa o relacionamento amoroso com AnaAmélia, a quem dedica o poema "Ainda uma vez... Adeus!", por pressões da família dela, já que o poeta era filho de pai português e de mãe mestiça.
Tuberculoso, vai à Europa em 1862 para tratar da saúde; combalido e reduzido à miséria, decidiu voltar, morrendo em naufrágio à vista das costas do Maranhão. Clássico na forma e no estilo, por formação literária, foi, por índole, o poeta das tradições eda alma popular brasileira. Pertenceu à primeira geração do Romantismo Brasileiro.
Delicado e melancólico, criou o indianismo romântico, impondo-se como uma das maiores figuras da nossa literatura. É considerado o mais maduro dos românticos brasileiros, o nosso maior poeta romântico. Seus versos encerram eloqüência e unção, lirismo, grandiosidade e harmonia. Escreveu: Primeiros Cantos,Segundos Cantos, Últimos Cantos, Sextilhas de Frei Antão, I-Juca Pirama, Dicionário da Língua Tupi, Os Timbiras e os dramas Beatriz Cenci, Leonor de Mendonça, Boabdil, Patkul, entre outros.

1. CARACTERISTICAS DA OBRA

▪ Exaltação da natureza (o cenário é natural, as florestas)
▪ O índio como herói
▪ Passado histórico
▪ Individualismo (o eu lírico comoherói, o guerreiro)

2ª GERAÇÃO: MAL DO SÉCULO

ENOJO

Vem despontando a aurora, a noite morre, 
desperta a mata virgem seus cantores, 
medroso o vento no arraial das flores 
mil beijos furta e suspirando corre.

Estende a névoa o manto e o val percorre, 
cruzam-se as borboletas de mil cores, 
e as mansas rolas choram seus amores 
nas verdes balsas onde o orvalho escorre.

E poucoa pouco se esvanece a bruma, 
tudo se alegra a luz do céu risonho 
e ao flóreo bafo que o sertão perfuma.

Porém minh'alma triste e sem um sonho 
murmura olhando o prado, o rio, a espuma: 
como isto é pobre, insípido, enfadonho! 
  
                                                              Fagundes Varela

2....
tracking img