Rh no passado

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3552 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
1

APOSTILA 1 – 1º. bimestre
A temática do Gestão de Pessoas é da maior importância porque as empresas podem ser tudo, mas nada serão se não houver pessoas a definir-lhes a visão e o propósito, a escolher estruturas e estratégias, a realizar esforços de marketing, a administrar recursos financeiros, a estabelecer metas de produção, a definir preços e tantas outras decisões e ações. Dito deoutra maneira, empresas são construções sociais. Se é assim, aqui, analisaremos como habilidades e competências podem ser desenvolvidas e geridas, de modo que a empresa possa, no ambiente de negócios, atingir os resultados esperados. Pessoas não são recursos – como os materiais, financeiros, informacionais, tecnológicos e outros. Pessoas, com suas habilidades e competências, são geradoras derecursos. Por isso, aqui, não há referências a elas como recursos humanos – expressão comum nas empresas.

UNIDADE 1 - RH NO PASSADO
As práticas de Recursos Humanos – RH – eram, no passado, muito diferentes das adotadas nos dias de hoje. As áreas fundamentais da empresa focalizavam, há alguns anos, finanças e produção. Nesse sentido, quem produzisse e estivesse com as contas em dia ganharia dinheiro.Portanto, as pessoas da organização não eram concebidas como vantagem competitiva. Ter vantagem competitiva era ter estoques ou produtos. 1.1 INCIDÊNCIA SOBRE PREÇO Na época em que a vantagem competitiva equivalia a ter estoques ou produtos, a limitada concorrência permitia uma margem de lucro grande. Essa margem era grande o suficiente para que as empresas não se preocupassem com a eficiência oucom o baixo custo de operação do negócio. Tudo era repassado para o preço: ineficiência; custos inadequados; inflação. Qualquer um ganhava dinheiro; e quem era competente, no sentido de gestão efetiva, ganhava mais. 1.2 EQUAÇÃO PARA COMPETITIVIDADE Antigamente, a equação para a competitividade poderia ser representada da seguinte maneira: C (custo) + L (lucro) = P (preço) Dessa forma, quem definiaos custos, o lucro e o próprio preço era a empresa. Era a famosa época do virar a tabela, favorecida e estimulada pela inflação. Se não queremos
Administração de Recursos Humanos – Profa. Claudia González

2

comprar hoje, tudo bem, mas, quando formos comprar amanhã, teremos de comprar pela nova tabela, com novos preços. O departamento de RH equivalia a um departamento burocrático depessoal, que servia apenas para cuidar de aspectos legais e administrativos dos funcionários. As atividades como recrutamento e seleção apenas respondiam às demandas burocráticas do preenchimento de um determinado número de vagas. 1.3 EVOLUÇÃO DO RH A partir de uma profunda análise histórica feita por Daniel Bell, em seu clássico livro The Cultural Contradictions of Capitalism, podemos construir umaestimulante perspectiva a respeito da área de RH como recurso estratégico das organizações. No período histórico-econômico-social, havia a predominância do modelo de negócio chamado de extrativismo. O extrativismo ocorreu há séculos, com abundância de recursos naturais e com a competitividade assegurada pelo uso intensivo da mão de obra, um recurso, então, escasso. Apesar disso, ainda hoje, podemosencontrá-lo em regiões menos desenvolvidas do planeta. 1.3.1 EXTRATIVISMO Na época do extrativismo, a mão de obra fornecia força física, energia. A pessoa, nesse caso, fazia as vezes de tração animal – um escravo. Para fazer as pessoas trabalharem, utilizava-se o chicote! Como consequência, o perfil do gestor era muito claro. Ele era um capitão do mato. A motivação central do escravo era, emprimeiro lugar, manter-se vivo. Ainda hoje, temos resquícios das práticas da época do extrativismo em algumas sociedades e em algumas organizações. Basta olharmos, atentamente, para certas práticas de gestão em algumas empresas. 1.4 FABRICAÇÃO A partir do século XVII, começou o período chamado de fabricação, que ainda está fortemente presente. Na fabricação, as sociedades saltam da dimensão rural para...
tracking img