Resumo,

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (386 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
“A LÍNGUA DO BRASIL AMANHÃ E OUTROS MISTÉRIOS"

PERINI, Mário A. A língua do Brasil amanhã e outros mistérios. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

O livro foi dividido em "ensaios", termo usadopelo próprio Mário Perini, para descrever os capítulos de seu livro. No primeiro ensaio, intitulada de “A língua do Brasil amanhã", o autor fala sobre algumas "previsões" de que no futuro, falaremosuma língua misturada com o espanhol, porém, Perini defende arduamente que essa previsão não se concretizará, Perini ainda lembra que 99% de nossas palavras são de origem nacional.
Posteriormente oautor nos lembra de algumas diferenças entre as línguas, por exemplo, em português usamos "dedo" e em inglês há diferença entre os dedos das mãos e dos pés. No ensaio de número 4, o autor comprova quefalar como se escreve sobrecarrega nossa memória. Mais adiante no ensaio de número 6, Perini faz uma crítica aos tradutores, cita as várias vezes em que nos irritamos com algumas más traduções.
"Dagramática à guerra no mar", esse é o título do ensaio de número 7, onde o autor fala sobre Fernão de Oliveira, o primeiro a escrever uma gramática portuguesa. Nesse ensaio ele nos dá alguns detalhesdessa gramática e de como se deveriam pronunciar alguns sons. Adiante, no ensaio de número 8, Perini explica um pouco sobre as diferenças sintáticas e morfológicas existentes entre as línguas, e mostraque, ao se aprender uma língua desde criança, suas regras são internalizadas sem a necessidade de se entender suas regras formais. Outro fato importante mencionado nesse capítulo, foi a descrição dos“universais da linguagem”, que são traços que valem para todas as línguas, bem como aqueles que são impossíveis em todas as línguas. No ensaio 9, "Decifrando Horacio", o autor faz uma breveexplicativa acerca de fatos complexos como semiótica, significado, significante, pragmática e etc.
No ensaio 10: "A gramática nasceu em Alexandria", Mário Perini diz que apesar de estarmos distantes...
tracking img