Resumo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1432 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de fevereiro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Livro: Contabilidade Introdutória
Resumo Capitulo 5 – Operações com Mercadorias

Resultado Bruto com Mercadorias (RCM)

Resultado Bruto com mercadorias, ou Resultado com Mercadorias é a diferença total entre as receitas obtidas pelas vendas e o Custo dessas mercadorias que foram vendidas. Essa diferença bruta não leva em consideração as demais Receitas e Despesas da empresa. Elasaparecem quando se deseja conhecer o Resultado Liquido do Exercício.

Resultado com Mercadorias = Vendas – Custo das Mercadorias Vendidas

Resultado Líquido do Período = Resultado com Mercadorias + Outras Receitas – Outras Despesas

Se o Resultado Bruto for positivo, isto é, se as vendas forem maiores do que o custo das Mercadorias Vendidas, teremos Lucro Bruto com Mercadorias. Se forNegativo, teremos Prejuízos com Mercadorias.
No final, após computadas as demais Receitas e Despesas, será obtido o Resultado Liquido do Exercício, que pode ser Lucro Líquido ou Prejuízo do Exercício.

Custo das Mercadorias Vendidas (CMV)

De que maneira se pode calcular o valor do Custo das Mercadorias que vendemos? Basicamente, existem dois sistemas:

1°) Inventário Periódico –quando efetuamos as vendas sem um controle paralelo e concomitante de nosso Estoque e, portanto, sem controlar o Custo das Mercadorias Vendidas.

2°) Inventário Permanente – quando controlamos de forma contínua o Estoque de Mercadorias, dando-lhe baixa, em cada baixa, em cada venda, pelo custo dessas Mercadorias Vendidas (CMV).

Atribuição de Preços aos Inventários

Sabemos que váriosfatores influenciam os preços de todo o tipo de Mercadorias: demanda, concorrência, clima, sazonalidade etc.
E, com isso, dificilmente teremos durante o período compras feitas pelo mesmo preço. Normalmente, este variará, dando origem ao problema da avaliação do Inventário e, conseqüentemente, do Custo das Mercadorias Vendidas.

Variações com relação aos diversos custos

Devem seranalisadas todas as possibilidades de atribuição de valor, sempre com base no custo (valor de aquisição).

Preço específico – quando é possível fazer a determinação do preço específico de cada unidade em estoque, pode-se dar baixa, em cada venda, por esse valor; com isso, no estoque final, seu valor será a soma de todos os custos específicos de cada unidade ainda existente.

Peps ou FifoCom base nesse critério, daremos baixa no custo da seguinte maneira: o Primeiro que Entra é o Primeiro que Sai (Peps) (também conhecido por Fifo, da expressão em inglês First-in-First-out). Assim, à medida que ocorrerem as vendas, vamos dando baixa a partir das primeiras compras, o que equivaleria ao raciocínio de que vendemos primeiro as primeiras unidades compradas.

Criticas – Quando usarmoso Peps (ou o Fifo), estaremos dando baixa pelo custo da primeira unidade em estoque (mesmo que a unidade vendida seja a última comprada o fluxo é de custo, e não da unidades). Nesse caso, o valor de estoque estará sempre avaliado pelas últimas comprar e, portanto, mais próximo de seu valor atual.

Ueps ou Lifo

Pode-se fazer ao contrário do sistema anterior, dado como custo o valor daultima mercadoria entrada; assim, a Última a Entrar é a Primeira a Sair (Ueps) (ou Lifo, last-in-first-out).

Criticas – O uso da Lifo (Ueps) provoca o aparecimento de um CMV mais atualizado quando os preços sobem ou baixam, pois a baixa é feita pelos valores das ultimas compras. Em compensação o valor do estoque final estará sendo baseado nos valores mais antigos. Há grandes riscos na adoçãodesse critério, mais lógico aparentemente, que surgirá quando houver diminuição no volume médio do estoque, pois acabaremos dando baixa em custos antiqüíssimos.

Custo ou Mercado (o mais baixo)

Na verdade os estoques tem outra regra: custo ou mercado, o que for mais baixo.

De acordo com o Conceito de prudência, deve ser esse o principio norteador da avaliação de estoques. O...
tracking img