Resumo do cap. 2 do livro: empreendedorismo, transformando ideias em negócios

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1427 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 6 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Resumo do cap. 2 do livro: Empreendedorismo, transformando ideias em negócios


Capítulo 2: O processo empreendedor

José Carlos Dornelas, professor universitário e consultor especializado em empreendedorismo, em seu trabalho sobre novas iniciativas em negócios, aborda no segundo capítulo da obra Empreendedorismo: Transformando ideias em negócios, o processo empreendedor.
Neste capítulo elecomeça falando sobre a revolução do empreendedorismo. Mostra que o avanço tecnológico tem sido tão grande que o mundo requer um número maior de empreendedores, fazendo com que hoje exista uma necessidade de se formalizarem conhecimentos, que eram apenas obtidos apenas empiricamente no passado. Hoje em dia boas ideias inovadoras, um bom planejamento, e principalmente, uma equipe competente emotivada são ingrediente poderosos quando somados, no momento adequado, acrescidos do combustível indispensável - o capital - podem gerar negócios grandiosos em um curto espaço de tempo, o que era raro há alguns anos. O contexto atual é propício para o surgimento de um número cada vez maior de empreendedores. No que se refere à educação empreendedora, os exemplos de sucesso têm sido muito maisfrequentes, já que o empreendedorismo tem se disseminado rapidamente como disciplina, forma de agir, opção profissional e como instrumento de desenvolvimento econômico e social. A explicação para a focalização de um número cada vez maior de países no empreendedorismo basta analisar o que ocorre nos Estados Unidos, onde encontramos um intenso dinamismo empresarial e rápido crescimento econômico, somadosaos baixos níveis de desemprego e às baixas taxas de inflação. Isso aponta para a única conclusão: o empreendedorismo é o combustível para o crescimento econômico, criando emprego e prosperidade. Todos esses fatores levaram um grupo de pesquisadores a organizar em 1997, o projeto GEM – Global Entrepreneurship Monitor, uma iniciativa conjunta dos Estados Unidos e Inglaterra, com o objetivo de medir aatividade empreendedora nos países e observar se relacionamento com o crescimento econômico. Este pode ser considerado o projeto mais ambicioso e de maior impacto até o momento no que se refere ao acompanhamento do empreendedorismo nos países.
O empreendedorismo no Brasil começou a se formar quando entidades como SEBRAE e Softex foram criadas. Antes disso, praticamente não se falava deempreendedorismo e criação de pequenas empresas. Passados 20 anos, pode-se dizer que o Brasil entra neste novo milênio com todo potencial para desenvolver um dos maiores programas de ensino de empreendedorismo do mundo, onde mais de 2.000 escolas ensinam empreendedorismo. Um fato que chamou a atenção do mundo e principalmente do Brasil, foi o primeiro relatório do GEM, em 2000, em que o Brasil apareceucomo o país que possuía melhor relação entre o número de habitantes adultos que começam um novo negócio e o total desta população: 1 em cada 8 adultos. Mas a criação de empresa por si só não leva ao desenvolvimento econômico, pois existem 2 tipos de empreendedorismo, o de oportunidade e o de necessidade. No primeiro o empreendedor visionário sabe aonde quer chegar, cria uma empresa com planejamentoprévio, tem em mente o crescimento que quer buscar e visa gerar lucros, empresa e riqueza, este está totalmente ligado ao crescimento econômico. No segundo o candidato se aventura neste mundo empreendedor mais por falta de opção, neste caso são criados informalmente, não tem planejamento de forma adequada e muitos fracassam. Por isso para o primeiro lugar representar algo bom para o Brasil, eleprecisa otimizar o seu empreendedorismo de oportunidade. Mas para isso ainda faltam políticas públicas duradouras dirigidas à consolidação do empreendedorismo no país, como alternativa à falta de emprego, e visando a respaldar todo esse movimento proveniente da iniciativa privada e das entidades não governamentais, que estão fazendo a sua parte. O ultimo fator, que dependerá apenas dos brasileiros...
tracking img