Resenha teoria

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1263 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Instituto de Ciências Humanas e Sociais
Departamento de História
Disciplina:Prática e Produção de Texto Cientifico
Professora:Tânia Mikaela Garcia Roberto
Acadêmico: Laura Oliveira Motta
Seropédica, 12 de abril de 2011.


TEMA: DITADURA MILITAR NO BRASIL













De 1964 a 1985 entende-se o período que se compreendea ditadura militar no Brasil.
Iniciado com o golpe militar em 31 de março de 1964, marcou o controle político do Exército Brasileiro, que pôs em prática uma série de fatos a partir deste episódio.
Já se passaram 47 anos do golpe militar, porém a temática é algo que desperta o interesse continuamente. Pelas dúvidas freqüentes desse nosso passado tão remoto e por ser uma fase com atos tão obscurose lacunas em aberto.
Vamos analisar alguns governos e os mitos criados sobre esse evento tão importante para o nosso país.

Analisando o fato

Sendo um acontecimento tão recente da nossa história, parece ser fácil analisar e pesquisar o regime militar, porém os limites impostos na pesquisa dificultam o estudo desse processo. Temos o hábito de ver a narrativa numa abordagem restrita, pois aprodução do material foi feita por historiadores que muitas das vezes vivenciaram o regime e que não tinham uma noção de totalidade sobre os acontecimentos. Temos que perceber e tentar compreender esse momento de uma forma ampla que dê espaço para as diferentes posições.
Como sustenta VASCONCELOS (2009, p.70):
(...) porque creio que um estudo que pretenda apresentar conclusõessobre as razões do golpe de 1964 a partir dos relatos dos envolvidos
não pode desconsiderar os fatores conjunturais, os aspectos constitutivos da memória.(...) e deve ser o mais abrangente possível no que se refere ao conjunto de depoimentos a ser estudado.

Devemos analisar todas as frentes de posicionamento que tiveram participação naquela conjuntura,mesmo com a dificuldade de buscar tais fontes como, por exemplo, “das memórias de militares que se opuseram ao regime e que podem levar a conclusões diferentes” (VASCONCELOS, 2009 p.70), para tirarmos desses atores históricos uma outra perspectiva sobre o fato. É possível que essa desmistificação sobre a ditadura seja um fator para o crescente interesse de historiadores sobre o tema. Contrariar osmitos e clichês do contexto
dão aos novos historiadores um entusiasmo em elaborar sua pesquisa.

O golpe militar traz consigo uma nova era da política brasileira, que implantou suas bases numa semelhança à doutrina de Segurança Nacional dos Estados Unidos, que se referia a luta contra as forças contrárias ao regime, como era o caso do comunismo. Nessa concepção, podemos perceber duas colocaçõesidealistas: uma para quem o golpe representou um atraso na situação política e econômica, além de implicações violentas como a tortura e fortes repreensões e outra da retomada da ordem nacional que executaram um grande crescimento econômico, por meio dessa nova forma de governo.

Porém como já sabemos o golpe vem atrelado a uma série de controvérsias.
Vemos então o primeiro presidente do regimemilitar, o marechal Humberto Alencar Castelo Branco, conhecido como da linha moderadora, a figura de Castelo Branco vem sempre numa imagem da intervenção militar ligado ao seu caráter corretivo e temporário.
Entretanto podemos perceber que fazer essas afirmações é ter uma “classificação simplista dos militares em “duros” ou “moderados” (FICO, 2004, p.30)”.
As atuais pesquisas mostram que esseestilo que se dominou para Castelo foi mais uma construção favorável a ele do que uma critica de fato á sua atuação no governo.
No governo de Castelo Branco se desencadearam vários fatos que mais tardes tiveram conseqüências relevantes como, FICO (2004, p.33) cita em seu artigo:

durante o seu governo Castelo não conseguiu,
como pretendia, interromper a...
tracking img