Resenha - gentileza gera gentileza

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas: 5 (1214 palavras)
  • Download(s): 0
  • Publicado: 6 de maio de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
ATIVIDADE:
RESENHA.
A partir do texto abaixo, redigir uma resenha crítica a respeito do tema abordado pelo autor.
BOM TRABALHO!
http://www.ecofuturo.org.br/imprensa/titulo/eco_humana_ives
"Gentileza é respeitar a necessidade do outro."
[pic]
"Acredito em duas coisas que a escola pode fazer: a clarificação de valores e a qualidade do convívio."
Yves de La Taille
Deixamos o fio da conversano mês passado enrolado em perguntas nada fáceis sobre o homem e seus relacionamentos. O brilhante educador Paulo Freire dizia que melhor seria se nos chamássemos de “sendo humanos” em vez de “seres humanos”. Seria um jeito prático – e sem dúvida esperançoso – de lembrar que a humanidade não está pronta nem acabada. Nas últimas semanas, estivemos mergulhados em dor e espanto pelo brutalassassinato de uma criança de cinco anos. A própria mídia reconhece a saturação da notícia, mas defende-se alegando que faz sua obrigação ao atender a curiosidade mórbida da audiência.
|[pic] | |A morte é um enigma que paira inexplicável sobre toda a nossa incrível tecnologia. Se |
| | |cercada de violência, atrai olhares e ouvidos,instaura polêmicas. Uma delas diz respeito |
| | |à violência como parte da índole humana. Temos ou não uma inclinação natural para a |
| | |violência? |


“Não; definitivamente, não”. Assim pensa o psicólogo Yves de La Taille, especialista emDesenvolvimento Moral. “Quando algo faz parte da índole, é algo inegociável. Em se tratando de violência, os casos são de patologia, como dos psicopatas”, diz. O assunto é polêmico. Enquanto uns enfatizam a violência como algo inato, outros preferem investir na idéia de que precisamos nos educar para não sermos violentos. É como preferir olhar o copo com água pela metade como quase vazio ou quase cheio.De qualquer forma, não chegamos até aqui de repente e não será de repente que sairemos dessa. Somos seres em processo de humanização. Assim como aprendemos a ficar de pé, a andar e a falar, também devemos aprender sobre aquilo que nos torna verdadeiramente humanos: as virtudes.
Segundo Yves, a escola pode atuar na clarificação de valores e na qualidade do convívio. “Não raras vezes valorizamosalgo em nós ou nos outros, mas sem clareza ou apreensão racional. O que se pode fazer em educação é clarear essa noção de valores”, afirma ele, fazendo questão de insistir que não se trata de fazer terapia. Cada qual, na sua própria intimidade, é chamado a pensar sobre si. Através da clarificação de valores podemos tomar consciência do que é ser violento. Ele explica a violência como uma formadrástica de dominação do outro. Se quero ser vencedor, o outro jamais será um parceiro, mas uma ameaça, um adversário a ser vencido.
|É no convívio que a coerência dos discursos pode ser medida. É também no dia-a-dia que temos| |[pic] |
|a chance de exercitar tolerância, generosidade, paciência e toda a gama de virtudes. Se, | | |
|porém,não aprendemos, como saber? Se não vemos exemplos em casa e na escola, como cultivar | | |
|virtudes? | | |


Daí a urgência de falar em Educação Moral e Ética em nível curricular. “Deixo aos didatas a tarefa de resolver se a melhor solução é atransversalidade ou não, mas Educação Moral e Formação Ética devem ser temas curriculares, sem dúvida nenhuma. Educação Moral diz respeito aos deveres; Formação Ética diz respeito à vida boa, ao sentido da vida, ao sentido que a pessoa atribui à vida e a si próprio”, explica Yves.
O que diz o psicólogo sobre gentileza? Segundo ele, a gentileza liga-se muito à idéia de respeito: “A palavra gentil é...
tracking img