Resenha de livro mulheres iabas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 262 (65429 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
0

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

“MULHERES IABÁS”:
LIDERANÇA, SEXUALIDADE E “TRANSGRESSÃO” NO CANDOMBLÉ

Ivana Silva Bastos

JOÃO PESSOA
2011

1

Ivana Silva Bastos

“MULHERES IABÁS”:
LIDERANÇA, SEXUALIDADE E “TRANSGRESSÃO” NO CANDOMBLÉ

Dissertação apresentada à Universidade Federal
da Paraíba, como parte das exigências do
Programa de Pós-Graduação em Sociologia,
paraobtenção do título de Mestre em
Sociologia.
Orientador: Antônio Giovanni Boaes Gonçalves

JOÃO PESSOA
2011

2

B327m

Bastos, Ivana Silva
Mulheres Iabas: liderança, sexualidade e transgressão no
candomblé / Ivana Silva Bastos. - João Pessoa: UFPB, 2011.
158 f.
Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Universidade Federal
da Paraíba, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes.Referências.
Orientador: Profº Dr. Antônio Giovanni Boaes Gonçalves
1. Mulheres 2. Gênero 3. Sexualidade 4. Empoderamento 5.
Candomblé I. Título.
CDU 392:259.4

3

Ivana Silva Bastos

“MULHERES IABÁS”:
LIDERANÇA, SEXUALIDADE E “TRANSGRESSÃO” NO CANDOMBLÉ

Dissertação

apresentada

à

Universidade

Federal da Paraíba, como parte das exigências

do

Programa

de

Pós-Graduaçãoem

Sociologia, para obtenção do título de Mestre
em Sociologia.

APROVADA EM: ___ de agosto de 2011.

___________________________________________________
Prof. Dr. Antonio Giovanni Boaes Gonçalves
(Orientador/PPGS/UFPB)

___________________________________________________
Profª. Drª. Rosalira dos Santos Oliveira
(Examinadora/FUNDAJ)___________________________________________________
Prof. Dr. Adriano Gomes de León
(Examinador PPGS/UFPB)

4

A duas mulheres guerreiras, exemplos de força, coragem, autonomia e
determinação. Nelas me espelhei e ainda me espelho. Minha mãe,
Vera Lúcia Pereira da Silva (em memória) e minha avó, Maria Pereira
da Silva (em memória).

5

AGRADECIMENTOS

Agradeço de modo especial a Mãe Renilda, suas filhas de santo e todo opovo do
terreiro que nos recebeu com tanta atenção e boa vontade.
Ao CNPq, pelo financiamento através da bolsa de estudos, sem a qual não haveria
possibilidade de realização desta pesquisa.
Ao meu querido orientador Giovanni Boaes, pela paciência, auxílio constante, sempre
prestativo e disposto a colaborar na elaboração e orientação deste trabalho.
Ao meu pai Mário Beserra, pela preocupação,parceria, cuidados e carinho. Outro
grande colaborador na elaboração desta dissertação.
Ao meu amado, Arthur Pessoa. Companheiro e incentivador, ouvinte atento de minhas
angústias acadêmicas.
Aos meus amigos/as: Gabriela Carreiro, Isabela Baracuhy, Camila Leal, Pollyana
Barros, Carolina Lubambo, Gabriel Pereira, Geanne Lima Batista, Fabiano Pereira, Raniere
Fonseca, Danilo Ferreira eAuxiliadora Ferreira de Oliveira.

6

“Ser mulher não é a pura constatação de um estado de fato, mas a
afirmação de uma vontade de ser. A grande tarefa de todas elas é o
dever de ser o que elas entendem por mulher. Não se trata de uma
adesão a uma ideia ou a este ou àquele movimento feminista (...)
Definir-se como mulher significa colocar no centro da vida certo
relacionamento para consigo mesmae construir uma imagem de si
como mulher”
Alain Touraine

7

RESUMO
BASTOS, Ivana. Universidade Federal da Paraíba, agosto de 2011. “Mulheres Iabás”:
liderança, sexualidade e “transgressão” no candomblé. Orientador: Antônio Giovanni
Boaes Gonçalves.

A presença e autoridade das mulheres nas religiões afro-brasileiras chamam atenção em
função das características do papel desempenhadopelas mesmas quando comparadas aos
papéis que lhes são destinados em outras denominações religiosas fora do campo afrobrasileiro. A participação feminina não se dá na definição das regras e doutrinas de maior
parte dessas religiões. A integração das adeptas se dá, notadamente, na prática religiosa.
Apesar do maior número, as mulheres ocupam posições inferiores às ocupadas pelos homens.
Os...
tracking img