Resenha critica “recondidos do mundo feminino

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1148 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O livro abordado “História da Vida Privada” vol. 3 é uma coleção de artigos
Sobre os mais variados temas do cotidiano nos anos conhecidos como “I Republica Brasileira (1889-1930)”. O capitulo mais precisamente abordado “Recônditos do Mundo Feminino” escrito por Marina Maluf e Maria Lucia Mott, tem como objetivo reconhecer o papel da mulher na sociedade, como esse pensamento era imposto, até osprimeiros passos para a mudança deste pensamento que até então era unânime por todos.
Maria Lucia Mott formada em História pela USP (1998) e pós Doutorada pela FAPESP, lançou quatro livros todos voltados para a mulher brasileira. Teve vários artigos publicados em revistas de História. Atualmente é professora FAPESP com a disciplina História da Enfermagem no Brasil. Marina Maluf doutorada emHistória, especializada em História da Mulher, entre seus principais trabalhos, publicou seu livro “Ruídos da Memorial” (1995) pela editora Siciliano.
O artigo é de uma leitura agradável e de uma fácil linguagem, as autoras tendem a mostrar como essas mudanças de comportamento feminino, afetou o ego dos homens mais conservadores. Afinal era inadmissível que nas primeiras décadas do séc. XX asmulheres de boa família quisessem sair pelas ruas sem a companhia de seu esposo ou então de seu pai ou irmão e cogitarem disputar o mercado de trabalho com o seu marido.
A sociedade até então deixava bem claras os principais papeis do homem e da mulher, tendo em seus principais meios de comunicação a voz para que esses fossem cumpridos sem nenhuma ousadia das partes. Entretanto as mulheres começama questionar e a procurar medidas para uma liberdade, ainda que fossem modesta essas ações, já preocupavam os homens mais conservadores.
Na década de 20, essas insatisfações ficaram mais visíveis com as publicações da Revista Feminina, onde mulheres reclamavam que seus esposos não voltavam ao lar, pois estavam a se divertirem na noite com as mulheres da vida, enquanto elas ficavam a cuidar dolar e dos filhos sozinha. Surgiram então os primeiros divórcios, o que eram considerados verdadeiros escândalos para a época. A mulher que para as autoras eram o tripé de seu lar mãe-esposa-dona de casa, agora tinham outros ideais, ainda que fossem a menoria.
Vários preceitos no código civil de 1916 sacramentavam a inferioridade da mulher casada ao seu marido. O homem como chefe do lar, cabia aele todas as decisões, a administração dos bens comuns do casal e a mulher cabia então aceitar todas elas. A constituição ainda previa que a mulher poderia trabalhar somente com a autorização do marido, o que não acontecia.
A mulher que por sua vez desobedece, o marido podia puni-la de todas as formas, utilizando na maioria das vezes a violência física. As autoras destacam que nestes casos aviolência não era vista como uma selvageria e sim como uma forma de chefe da casa impor seu poder, para não perder seu posto.
Para as autoras a desigualdade entre as funções dos sexos vem de questões culturais, muitas vezes legitimada pela Igreja. A superioridade do marido vinha pelo trabalho que garantia o sustento do lar, sendo assim cabia mulher a garantir que o marido voltasse e que mais aindaquisesse retornar. Se po ventura isso não acontece-se a culpa era da esposa que não soube prende-lo.
Essas intenções ficam bem claras no decálogo feminino, como publicado na Revista Feminina em 1924:


I - Ama teu esposo acima de tudo na terra e ama teu esposo da melhor forma que puderes; mas lembra-te de que a tua casa é teu esposo e não teu próximo;

II - Trata teu esposo como um preciosoamigo; como a um hóspede de grande consideração e nunca como uma amiga a quem te contam as pequenas contrariedades da vida;

III - Espera teu esposo com teu lar sempre em ordem e o semblante risonho; mas não te aflijas excessivamente se alguma vez ele não reparar nisso;

IV - Não lhe peças o supérfluo para o teu lar; pede-lhe sim, caso possas, uma casa alegre e um pouco de espaço tranquilo...
tracking img