Resenha comentada do texto um discuso sobre as ciências na transição para uma ciência pós-moderna, de boaventura de sousa santos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2557 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
EDU 02084 – EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA: CURRÍCULO, DIDÁTICA, PLANEJAMENTO 2013/01

Profa. Dóris Maria Luzzardi Fiss
Um Discurso sobre as Ciências na transição para uma ciência pós-moderna,
de Boaventura de Sousa Santos – Resenha comentada

Dissertou Boaventura de Sousa Santos sobre mudanças que acompanharam a evolução científica nos últimos séculos,considerando que desde o século XVI até o século XIX representaram de certo modo uma pré-história científica longínqua. Ademais, acrescentou que os grandes cientistas que estabeleceram e mapearam o campo teórico em que ainda hoje se movem viveram ou trabalharam entre o século XVIII e os primeiros vinte anos do século XX. Nesse tempo estabelece-se, então, o verdadeiro e significativodesenvolvimento científico das nações.
Sobre os pensamentos e crenças da atualidade diz-se que se tem por um lado um a visão do limiar de uma sociedade de comunicações interativa e livre das carências e inseguranças que ainda há entre muitos, característica que representaria um século XXI que está a começar antes de realmente começar. Por outro lado, ter-se-ia uma reflexão cada vez mais aprofundada sobre oslimites do rigor científico que se une aos perigos cada vez mais iminentes de catástrofes ecológicas ou guerras nucleares que podem fazer com que o século XXI termine antes de começar. Aderindo às asserções do físico Hermann Haken, Boaventura diz que atualmente se vive imerso em um sistema visual de flutuação cuja percepção humana cria rupturas que alteram a simetria do que enxergamos. Podemos,assim, interpretar uma imagem de duas cores de duas formas, sendo que em um momento uma das cores é o fundo do plano e no outro momento, a outra cor. Isso certificaria a teoria de que nenhuma das interpretações ou visões da figura pode ser verdadeira, o que coloca em cheque a ideia do que é ou não verdade no mundo que vemos. Tal exemplo ilustra o caótico, o complexo que emerge em nosso tempopresente, um tempo que está descompassado com tudo aquilo e todos aqueles que o habitam.
Tratando-se de um período de transição, difícil de ser compreendido ou percorrido, é necessário um retorno à simplicidade das coisas, à simplicidade das perguntas, ao estilo das perguntas infantis que, dizia Einstein, só uma criança pode fazer, mas que, depois de feitas, são capazes de trazer uma luz nova àperplexidade. Cita-se Rousseau como uma dessas “crianças” que fazem as perguntas “mágicas”, como as questões que levantou depois de receber a pergunta de que se o progresso das ciências e das artes contribuiria para purificar ou corromper os costumes? Rousseau perguntou então se haveria alguma relação entre ciência e virtude e se a ciência haveria de contribuir para diminuir o fosso crescente nasociedade entre o que se é e o que se aparenta ser, o saber dizer e o saber fazer, entre a teoria e a prática. O próprio Rousseau respondeu, então, que não. Tal fato teria ocorrido em meados do século XVIII, em que a ciência começava a se lançar de fato, estando em um período de transição.
Boaventura diz que na atualidade dos anos 1988, vive-se uma sensação de perda irreparável, em que a nova era deabundância traz a dúvida do que se estaria abundando em nós mesmos. Daí emergiria então a ambiguidade e complexidade do tempo científico presente. Disso surgiria, por fim, uma necessidade atual de retornar-se às perguntas simples e elementares e retornar-se também, se certa forma, às próprias perguntas de Rousseau. Boaventura lança-se, assim, a uma corrente de ideias que tendem a concluir que adistinção hierárquica entre o conhecimento científico e o conhecimento vulgar tenderá a desaparecer, e a prática será o fazer e o dizer da filosofia da prática.
Sobre o Paradigma Dominante e sua Crise
Trata-se de um modelo global de racionalidade científica que admite variedade interna mas que se distingue e defende, por via de fronteiras ostensivas e ostensivamente policiadas, de duas formas o...
tracking img