Radiologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2084 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Aparecida de Goiânia 28 de outubro de 2012
Colégio e Faculdade Suldamerica
Curso: Técnico em Radiologia
Professor: Alexandre
Disciplina: PHR

TRABALHO DE PROTEÇÃO E HIGIENE RADIOLÓGICA

Alunos: Regina maria
Claudio antinio

INTRODUÇÃO
É de conhecimento geral que altas doses de radiação ionizante danificam o tecido humano, sendo que diversos efeitos maléficos foram reportados logo apósa descoberta dos raios-X. Naquela época (1895 – 1896), era prática comum verificar a intensidade dos raios-X expondo trabalhadores à radiação emitida e medindo o tempo transcorrido até que a região exposta apresentasse irritação da pele. Durante as décadas seguintes, foi acumulado um grande número de informações sobre os efeitos maléficos da radiação ionizante e, conseqüentemente, sobre anecessidade de regulamentar a exposição de indivíduos à essa radiação bem como de aprimorar as técnicas empregadas pelo uso de colimadores, filtros, blindagens para atenuação, etc. Assim é que, por ocasião do Segundo Congresso Internacional de Radiologia, em 1928, houve amplo consenso quanto à necessidade de formular recomendações que serviriam a diversos países como base para elaborar Normas deRadioproteção. Naquela época, foram recomendadas espessuras mínimas de blindagem de chumbo para atividades com raios-X e fontes de Ra-226, bem como elaborados procedimentos relacionados a locais e condições de trabalho, não tendo sido, no entanto, estabelecidos valores para limitar as doses de radiação.
Em 1934, a Comissão Internacional de Proteção Radiológica (International Commission on RadiologicalProtection – ICRP), recomendou adotar, como limite, o valor de 0,2 R por dia para a exposição ocupacional (isto é, a exposição de pessoas que trabalham com radiações), o que correspondia a uma dose de cerca de 70 rem/ano, valor este que vigorou até 1950. Impulsionado pela Segunda Guerra Mundial, o crescente interesse por energia nuclear acarretou, na década de 50, avanços importantes na área deproteção radiológica, tendo sido adotada a ótica cautelosa segundo a qual toda radiação, por menor que seja, causa danos. A taxa de exposição máxima permissível para indivíduos ocupacionalmente expostos foi reduzida para 0,3 R por semana, correspondendo, para radiação X ou γ, a uma dose de 15 rem/a (0,15 Sv/a). Em 1956, foi recomendada nova redução para a dose ocupacional, passando esta a 5rem/ano. Já em 1958, estabeleceu-se que o limite de dose acumulada até a idade N não poderia exceder o valor 5(N-18), tendo também sido adotado o limite trimestral de 3 rem.
As Normas Básicas de Proteção Radiológica (NBPR), aprovadas pela Comissão Nacional de Energia Nuclear, CNEN, em 1973, fixaram os princípios básicos de proteção contra danos oriundos do uso das radiações e estabeleceram, paravigorar no país, entre outros, os limites de dose que vinham sendo recomendados internacionalmente.Em agosto de 1988, a CNEN aprovou a Norma “Diretrizes Básicas de Radioproteção”, em substituição às NBPR de 1973. Esta Norma fundamenta-se no conceito de detrimento introduzido pela ICRP-26, ou seja, no fato de que qualquer dose, por menor que seja, está associada à probabilidade de ocorrência dedanos (efeitos estocásticos), e adota três princípios básicos:exposição deve ser justificada em relação a outras alternativas e produzir um benefício líquido para a sociedade; Princípio da Otimização: As exposições devem ser tão reduzidas quanto razoavelmente exeqüível (ALARA - As Low As Reasonably Achievable), levando-se em consideração fatores sociais e econômicos; e Princípio da Limitação da DoseIndividual: As doses individuais de trabalhadores e indivíduos do público não devem exceder os limites anuais de dose estabelecidos pela CNEN, em particular, 50 mSv (5 rem) para trabalhadores e 1 mSv (100 rem) para o indivíduo do público. Atualmente, a tendência mundial tem sido a de adotar limites de dose ainda mais restritivos, limites esses recomendados pela ICRP em 1990 e que, no Brasil, já...
tracking img