Radiatividade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 19 (4658 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Radiatividade

Físico-Química
Professora: Alcinda Anacleto
Eduardo Matos 10ºC Nº8
Novembro de 2012
Índice
* Introdução (página 3)
* Capítulo 1 – O que é a radiatividade e como foi descoberta (página 4 à 7)
* Capítulo 2 – Tipos de radiação (página 8 à 11)
* Capítulo 3 – Meia vida (página 12 e 13)
*Capítulo 4 – As famílias radiativas (página 14 à 16)
* Capítulo 5 – Radiatividade espontânea e induzida (página 17 à 19)
* Capítulo 6 – Usos da radiatividade (página 20 à 26)
* Capítulo 7 – O efeito das radiações nos seres vivos (página 27 e 28)
* Capítulo 8 – Proteção e deteção de radiações (página 29 à 34)
* Capítulo 9 – Crises nucleares (página 35 e 36)
* Conclusão (página37)
* Bibliografia (página 38 à 41)

Introdução
Neste trabalho vou falar na radiatividade,no que consiste, um pouco da sua história, os seus usos e alguns outros assuntos.
Com este trabalho espero ficar a entender o que é a radiatividade e muitos outros aspetos relativos a este assunto

Capítulo 1 – O que é a radiatividade e como foi descoberta?
A radiatividade é um fenómeno natural ouartificial, em que algumas substâncias ou elementos químicos radioativos, são capazes de emitir radiações.
As radiações emitidas pelas substâncias radiativas são principalmente partículas alfa, partículas beta e raios gama. A radiatividade é uma forma de energia nuclear, com diversos usos, e consiste no facto de alguns átomos serem instáveis, o que os leva a libertar constantemente partículas alfa,beta e gama (raios-X) para se tornarem estáveis.
Mas como é que uma radiação que não é visível foi descoberta?

* No ano de 1896, o francês Henri Becquerel constatou que um composto de urânio - sulfato de potássio(K2SO4)e uranilo (UO22+) - apresentava a característica de causar uma mancha numa chapa fotográfica mesmo no escuro e embrulhada em papel negro. A interpretação de Becquerel era deque o composto emitia algum tipo de raio capaz de atravessar o papel e atuar sobre a chapa. Essa propriedade era semelhante à do raio X, descoberto um ano antes por Wilhelm Conrad Röntgen.

Foto de Henri Becquerel

* Ainda no mesmo ano, Becquerel percebeu que os raios do urânio ionizava gases, isto é, provocavam neles o aparecimento de iões, tornando-se condutores de corrente elétrica.* No final de 1897, a polonesa Marie Sklodowska Curie passou a se interessar pelo fenômeno descoberto por Becquerel. Em abril de 1898, ela já havia percebido que, além do urânio, outro elemento conhecido, o tório, também emitia os misteriosos raios. Começou, então, a suspeitar da existência de elementos radiativos desconhecidos. Em julho do mesmo ano, com ajuda do marido, físico francês de renomePierre Curie, descobriu um novo elemento que chamou de polónio. Alguns meses depois ambos descobriram um elemento ainda mais radioativo ao qual deram o nome de rádio.
* Ainda no ano de 1898, Ernest Rutherford utilizou uma tela fluorescente para detectar as radiações provenientes de um material radioativo. Com auxílio de placas metálicas eletricamente carregadas descobriu que havia dois tiposde radiação, que chamou de alfa e beta. A radiação alfa, segundo ele, deveria ser formada por partículas de carga positiva, uma vez que seu feixe é atraído pela placa negativa. Já a radiação beta,deveria ser formada por partículas negativas, pois seu feixe é atraído pela placa positiva.

A experiência de Rutherford esquematizada

* Além disso, como as partículas alfa sofrem um desviomenor, isso significa que elas devem possuir massa maior do que as partículas beta, pois, quanto maior for a massa de uma partícula, maior será a sua inércia e, portanto, mais difícil será alterar sua trajetória.

No esquema é possível ver as trajetórias das partículas

* Em 1900, Paul Villard, na França, descobriu uma outra forma de radioatividade que não apresenta carga elétrica,...
tracking img