Psicologia institucional

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 38 (9454 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
ANA MARIA TARCITANO DOS SANTOS

AUTISMO: DESAFIO NA ALFABETIZAÇÃO E NO CONVÍVIO
ESCOLAR

CRDA
SÃO PAULO
2008

2

ANA MARIA TARCITANO DOS SANTOS

AUTISMO: DESAFIO NA ALFABETIZAÇÃO E NO CONVÍVIO
ESCOLAR

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao
CRDA – Centro de Referência em Distúrbios de
Aprendizagem,
como exigência parcial para
obtenção do grau de Especialização LatoSensu em
Distúrbios de Aprendizagem. Sob a orientação do
Professor Mestre Orlando Pereira de Souza Junior

CRDA
SÃO PAULO
2008

3

ANA MARIA TARCITANO DOS SANTOS

AUTISMO: DESAFIO NA ALFABETIZAÇÃO E NO CONVÍVIO
ESCOLAR

Trabalho de Conclusão de Curso defendido e aprovado em
____/____/________, pela comissão julgadora:

CRDA
SÃO PAULO
2008

4

Dedicatória

Dedico a todas asfamílias que se sentem desamparadas diante
do diagnóstico de autismo em seu filho, e a todas as pessoas
envolvidas em meu trabalho e que contribuíram com meu
aprendizado.

5

RESUMO
No Brasil não existe a preocupação ao atendimento de crianças autistas, há
uma total desatenção para com a formação adequada de profissionais das áreas de
medicina, psicologia, pedagogia, fonoaudiologia,entre outras. No currículo destes
cursos, as informações sobre autismo são pobres e obsoletas, o que por sua vez
impede que o trabalho de investigação diagnóstica e intervenção ocorram em tempo
hábil. A escola recebe uma criança com dificuldades em se relacionar, seguir regras
sociais e se adaptar, esse comportamento é logo confundido com falta de educação
e limite. E por falta de conhecimentoalguns profissionais da educação não sabem
reconhecer e identificar as características de um autista. É importante que a escola
saiba diferenciar e encaminhar para um profissional capaz de realizar o diagnostico.
Diante do diagnostico e o resultado do PEP-R, o professor poderá criar um plano de
ensino para aquela criança, com conteúdos próximos a idade global do autista. Não
devemos pensar noautismo como algo distante e condenado ao isolamento em
escolas especializadas. Existem muitas coisas que podem ser feitas pelo autista, a
principal é acreditar que ele tem potencial para aprender, é preciso saber que ele
enxerga o mundo de forma diferente, mas vive no nosso próprio mundo, e cabe a
nós não deixá-lo ficar fora da escola e privado do convívio social.

Palavras-chave: Autista;diagnóstico; potencial para aprender.

6

ABSTRACT
In Brazil there is not a concern about autistic children. There is a total
inattention to the training of professionals in the fields of medicine, psychology,
pedagogy, phonoaudiology, among others. In the curriculum of these courses, the
information about autism are poor and outdated which prevents the work of research
and diagnosticintervention occur in a timely fashion. The school received a child who
is having problems relate to follow social rules, this behavior is just confused with
lack of education and limits. And because of the lack of knowledge of some
professionals, the do not know how to recognize and identify the characteristic of an
autistic child. It is important that the school knows how to work with thischild. Facing
the diagnosis and result of PEP-R, the teacher can create a effective plan to work
with that child. We should not think about autism as something distant and
condemned to isolation in special schools. There are many things that can be made
by autistic child. The main thing is to believe that the autistic child has a great
potential to learn. We need to know that he sees the worlddifferently and he lives in
his own world. It is up to us not let him be out of the school and be deprived of social
interaction.

Key-words: autistic; diagnostic; potential to learn

7

SUMÁRIO
INTRODUÇÃO.................................................................................

09

CAPÍTULO 1 - Entendendo a inteligência, a aprendizagem............

11

CAPÍTULO 2 -...
tracking img