Psicologia geral

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1985 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 3

2 DESENVOLVIMENTO 4

4 CONCLUSÃO...........................................................................................................8

REFERÊNCIAS 8

ROTEIRO DE PERGUNTAS........................................................................................9REFERENCIAS..........................................................................................................10
INTRODUÇÃO

Este trabalho trouxe de uma forma mais especificada a minha atenção a uma realidade muito próxima de mim, na qual a minha cidade ainda não obteve direcionamento a esta devida situação.
Em todos os lugares pelo país vemos o aumento de pessoas moradoras de rua e o total descaso com que são tratadas. Através deste trabalhopodemos analisar mais a fundo as motivações e entender melhor a trajetória dessas pessoas até o extremo de se viver sob “paredes invisíveis”, destacando-se a situação vivida por meninos e meninas que moram nas ruas.

Contextualização teórica da psicologia geral

A psicologia geral nos coloca a importância da mãe e da família na construção e desenvolvimento de qualquer criança.Observamos diariamente as diferenças de desenvoltura entre crianças normalmente assistidas e incentivadas pelas mães e famílias e daquelas que não obtiveram esse período em suas vidas. Percebemos essas diferenças tanto no desenvolvimento social, estrutural e emocional. O simples incentivo dado pela mãe a criança quando ainda bebê, na fase onde se cria a estruturação da linguagem ajuda esse mesmo adesenvolver-se.Para Vygotsky:

A transmissão racional e intencional de experiência e pensamento a outros requer um sistema mediador, cujo protótipo é a fala humana, oriunda da necessidade de intercâmbio durante o trabalho[...] a verdadeira comunicação requer significado – isto é generalização -, tanto quanto signos[...] Somente assim a comunicação torna-se, de fato, possível,pois a experiência do individuo encontra-se apenas em sua própria consciência e é, estritamente falando, não comunicável. Para se tornar comunicável, deve ser incluída numa determinada categoria que, por convenção tácita, a sociedade humana considera uma unidade.

Os primeiros vínculos sociais e simbólicos da criança se fazem na família. No entanto, a família da criança que vai paraa rua, na maior parte das vezes, não consegue manter-se enquanto apoio material e psíquico (Lucchini, 1993; Muza, 1996). As múltiplas privações no plano material, social e afetivo fazem parte da sua realidade familiar. Elas são as maiores vítimas de um sistema de pauperismo que atinge as camadas mais desassistidas da população na América Latina. (Oliveira, 1993).
Crianças que sãosubmetidas a situações de humilhação, destratos e não recebem incentivo e apoio durante seu crescimento, tendem a se retrair e desviar sua atenção para lugares ou coisas que as afastem desse ambiente. O ambiente familiar que deveria ser o lugar de segurança e felicidade se torna o incentivador de fatores que desencadeiam diversos problemas, o que os afastam de suas casas.
A falta deestrutura familiar, juntamente com as dificuldades financeiras e sociais vividas por essas famílias é um dos maiores fatores para que uma criança comece a viver nas ruas. Além do falto da possibilidade que para eles se torna atrativa a alternativa de viver sob sua vontade.
Lucchini (1993) traça uma reflexão sociológica do que nomeou “carreira” da criança na rua, identificando opercurso que a criança faz entre a casa e a rua, o tempo que ela levou para deixar a casa e as circunstancias da saída do domicílio, que vão depender do conhecimento adquirido do mundo da rua, assim como das estratégias de adaptação que utiliza para sobreviver. Este autor explora três etapas na relação que a criança estabelece com a rua: a aproximação e a saída, a rua observada e a rua lúdica, a rua...
tracking img