Provas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1261 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
A carta

Tomé é um menino que queria muito ter os poderes dos super-heróis das histórias em quadrinhos. Já havia tentado tudo para se transformar num deles até havia convencido sua mãe a confeccionar uma roupa de super-homem para ele. Mas, para seu desgosto não havia conseguido nenhum resultado a não ser um grande rombo em seu joelho.
Pensou muito e... apesar denão ser muito bom em redação, resolveu arriscar assim mesmo. Não sabia bem porque, preferia fazer tudo sozinho, sem contar pra turma.
Tinha medo de gozação...
Economizou o dinheiro que a mãe dava pra comprar doce, gastou tudo em envelopes aéreos. Foi pra casa e escreveu uma porção de cartas mais ou menos assim:


Exmo. Sr. Super-Herói:

Como vai? Euaqui vou bem. Só ontem que sem querer marquei um gol contra e o time todo queria me massacrar, mas tudo bem e agora estou escrevendo porque queria saber uma coisa muito importante: eu tinha (quer dizer, tenho) muita vontade de virar super-herói, que nem o senhor, e ajudar o bem e a justiça, mas não sei como. Será que o senhor pode me dizer como eu faço pra entrar na Legião dos Super-Heróis e virarum também?
Juro que só vou me dedicar ao bem e à justiça, tá?

Cordialmente,
Tomé

Agora, tinha o problema dos endereços. Tomé pensou, pensou. Essa parte parecia difícil. Sim, porque todos os super-heróis têm a mania de ocultar a identidade e é óbvio que não dão o endereço aninguém. Mas o Tomé já tinha visto a Celina escrever pra um artista de televisão. Em vez de mandar a carta pra casa dele, ela mandou pra televisão mesmo.
 É isso aí!
Tomé pegou todos os endereços das revistas e das emissoras onde os super-heróis trabalhavam e pôs nos envelopes. Depois, colou tudo direitinho, pegou o que restava de suas economias e partiu.Que azar!
Foi só botar os pés na rua, quase trombou com o Flávio. Este deu a maior risada e comentou:
 Onde é que você vai com tanta carta, pernilongo?
 Pernilongo é a vó!
Flávio fechou a cara.
 Não bota minha vó no meio. Pede desculpa senão apanha.
 Pede você!
Flávio, que játinha 13 anos, estufou o peito, agarrou Tomé pela camisa como fazem os artistas de cinema. Tomé não perdeu tempo. Chamou:
 Celina, Celina!
Celina veio correndo de dentro de casa. Ah, por mais chata que fosse, Tomé sabia que podia contar com a irmã pra qualquer briga. Celina não tinha medo de nada.
Só que agora, Tomé percebeu que o Flávio era maior queele a irmã juntos.
Tarde demais. Celina já tava de mão na cintura, cara de brava.
 Que foi?
 Ele quer me bater.
Celina não teve dúvidas:
 Pra bater em meu irmão vai ter que bater em mim primeiro.
Flávio soltou Tomé, esticou o queixo com desprezo:
 Não sou covarde, não bato em mulher. Medroso! Ta com medo de apanhar!
Celina, que não perdia uma boa briga, deu um puxão no cabelo do Flávio.
Antes que ele se mexesse, ela deu outro puxão. Nossa dali a pouco parecia uma gata: arranhava e gritava como louca. O Flávio, coitado, estava tão surpreso que não conseguia nem reagir. Ficou meio torto pra um lado, tentando se proteger.Tomé entrou em casa gritando:
 Socorro, socorro! O Flávio tá batendo na Celina.
A mãe saiu pra fora, fazendo o maior escândalo:
 Larga a minha filha, seu marmanjo sem-vergonha!
Por azar a mãe do Flávio vinha chegando em casa, cansadíssima do serviço.
Quando viu a cena, saiu correndo, agarrou o Flávio pelo braço...
tracking img