Problemas ambientais urbanos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2529 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
1. INTRODUÇÃO

O presente trabalho tem por objetivo abordar, de forma sucinta, as tendências na análise da população mundial em relação as questões ambientais, numa perspectiva interdisciplinar, como o próprio assunto já incita, pelas diversas facetas apresentadas pelos problemas de ordem ambiental. Primeiramente, a visão neomalthusiana será trazida à tona como instrumento pouco eficiente deanálise do crescimento populacional. Em seguida, a responsabilidade quanto aos problemas ambientais será objeto de análise a partir de suas diferenças. É preciso também abordar o modelo de desenvolvimento baseado na modernização, que acarreta em desigualdades profundas na sociedade. Por fim, a participação política crescente nas questões ambientais é vislumbrado, a fim de que se verifique aspressões da sociedade organizada na regulação das decisões e atividades de ordem ambiental.

2. EFEITOS DOS PROBLEMAS AMBIENTAIS NA SOCIEDADE E POPULAÇÃO

2.1. Visão Neomalthusiana do Crescimento Populacional
A questão ambiental vem sendo discutida de maneira interdisciplinar, nos últimos anos. Assim, ao se tratar de população, não se pode deixar de trazer à tona a abordagem da teoria populacionalneomalthusiana[1], que estabelece uma relação direta entre crescimento demográfico e pressão sobre recursos naturais. Essa abordagem demográfica aponta para a urgência de um controle populacional através da formulação de políticas públicas nesse sentido. Isso porque, na visão desses teóricos, o tamanho e crescimento populacional são fatores determinantes para o equilíbrio ambiental.
A teorianeomalthusiana, no entanto, apresenta algumas limitações quando o assunto é meio ambiente, pois demonstra ter uma visão muito simplista, envolvendo poucas variáveis quando toca o problema dos efeitos do crescimento e desenvolvimento econômico sobre o meio ambiente. Os padrões de produção e consumo no qual a teoria neomalthusiana se funda, não são por ela discutidos apesar de serem demasiado agressivosao meio ambiente, haja vista a poluição e a devastação causadas. Apenas a perspectiva demográfica é considerada, ou seja, o ponto de partida para se analisar os problemas econômicos, sociais e ambientais é o crescimento descontrolado populacional. Assim, a proposta de solucionar os problemas ambientais se reduziria, simplesmente, a um controle do crescimento populacional dos países pobres, melhordizendo, a redução dessas populações.
A questão ambiental, contudo, é mais complexa e interdisciplinar que a mera visão demográfica da corrente neomalthusiana. A perspectiva populacional em consonância com os problemas ambientais é tratado por Martine (1993a) que propõe uma análise diferente da acima exposta. Segundo ela, as quedas de fecundidade já são consideráveis na população mundial, salvoalgumas exceções. Entretanto, o fator inercial da dinâmica geográfica não permite que os reflexos sejam percebidos de imediato no ritmo de crescimento populacional. As percepções se darão em longo prazo, pois a estrutura populacional está definida no curto prazo, a menos que fatores externos de grande proporção alterem essas previsões como grandes guerras, pandemias ou catástrofes naturais deescala global.
O fator desenvolvimento ainda está presente na análise da população mundial de Martine (1993a), pois a explicação para a redução dos níveis de fecundidade está na modernização e desenvolvimento dos países que já obtiveram sucesso nesses índices. Porém, destaca-se a importância do desenvolvimento para a redução acelerada e expressiva do crescimento populacional, e não do controlepopulacional. Assim, o cerne da relação entre meio ambiente e população está na adoção de modelos de desenvolvimento e teconologia que se adeqüem a problemas ambientais como escassez de recursos, poluição, mudanças climáticas, ocupações do solo, dentre outros.

2.2. Diferentes graus de responsabilidades frente aos problemas ambientais
O binômio “crescimento populacional” e “pressão sobre recursos”...
tracking img