Pressupostos e subentendidos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1541 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
COTIDIANO

Não é incomum encontrar no dia-a-dia pessoas que temem por sua segurança. Nas paradas de ônibus, caminhando pelas ruas, dentro de estabelecimentos comerciais, elas ficam imaginando se algo não acontecerá inesperadamente e mudará o que poderia ser mais um dia “comum” em um dia inusitado. Seria isso exagero ou preocupação justificada?

“ACONTECEU ALGUMA COISA”
Dois guardas à porta,barrando a passagem. O bolo de gente na calçada, espichando pescoço para assuntar.
- Vai ver que mataram alguém no edifício.
- Com certeza assaltaram o banco, e...
- Que banco? Não está vendo que não tem nenhum banco aí?
- Já sei. Pegaram lá em cima um grupo de subversivos, e eles estão encurralados, não querem se render. Não saio daqui enquanto os caras não aparecerem.
Cresce a confusão. Tãorápido, que até parece organizada. Todo mundo colabora para que seja total. E fala, fala.
- Olha aquela velha desmaiando!
- Velha coisa nenhuma, é uma loirinha muito da bacana. E não está desmaiando, está é brigando de unha e dente, alguém apalpou ela ou afanou a bolsa.
- Te garanto que houve morte. Um padre abriu caminho e entrou lá dentro, apesar dos guardas. Padre mesmo, desses de batina,sacumé?
- Se o cara já morreu, não adianta ele entrar, ora essa. Salvo se ainda está agonizando. E quem garante a você que por estar de batina esse que entrou lá não é padre de araque? Tem muita falsificação pelaí.
- Não estou vendo fumaça. Incêndio não é.
- Pode ser nos fundos. Espera até a fumaça aparecer. O último incêndio que eu assisti, na Tijuca, levou horas pra convencer.
- Quem sabe foiuma manicure que se atirou no pátio? Já vi um caso assim.
- Por essas e outras é que só moro em casa, e casa térrea, sem escada, pra não dar grilo. Eu, hem?
- É, mas em muito inconveniente. Nas casas baixas a poluição é servida a domicílio.
- Repara aqueles dois entrando na raça.
- E na raça foram rechaçados, tá vendo?
- Pronto, interditaram o edifício.
- Pior. Estão esvaziando o edifício.- Corta essa. Todo mundo tem direito de entrar e direito de sair. E os que trabalham lá em cima, por que irão deixar de trabalhar? Os que precisam subir para ir ao dentista, ao médico, sei lá, com que direito são impedidos? Tá errado. Qual, isso é um país sem...
- Calma, Secundino. Acho bom você moderar suas expansões.
- É, mas o Senador Farah Diba entrou com passe livre, espia só.
- Não temsenador com esse nome, siô.
- Tem um parecido, mas é deputado.
- Deputado ou não, com esse ou com outro nome, mas entrou. Eu vi.
- Então não há tragédia, ele não é de ir aonde pega fogo.
- Cerraram as portas de aço!
- Isso tá me cheirando a elevador despencado. Não tem dia que não caia um em Copacabana. E essa ambulância que não vem? Devia ter sempre uma ambulância de plantão na porta de cadaedifício.
- O diabo são os palestinos. Imagina se o carteiro deixou na portaria uma daquelas cartas com bomba...
- Já não se tem onde morar sossegado. Até entrar pelo cano é perigoso. Lá dentro tem assaltante à espera.
- E na rua, então? Que é que nós estamos fazendo aqui, ameaçados de todos os lados, prestando atenção num negócio que não é da nossa conta, me diga o senhor?
- Sei lá. Mas agoraestá saindo um caixotão, não atino o que seja. Quem sabe se não é um novo crime da mala!
- Nem me fale nisso. Só de pensar, fico toda arrepiada; passe a mão no meu braço, veja como estou. Cortar um pobre de Cristo em fatias, feito mortadela, depositar na mala e despachar de avião!
- Era de trem que as malas com cadáveres se despachavam, sua ignorante.
- Isso foi no seu tempo, vovozinho. Hoje,quem é que passa pra trás o avião pra dar preferência a trem de ferro?
- Pois então vamos chegar perto e espiar o caixão do defunto.
- Não é caixão, gente, é geladeira!
- O quê? O defunto estava dentro de uma geladeira?!
- Ah, meu chapa, tu não morou que isso é uma liquidação de eletrodomésticos?

Fonte: ANDRADE, Carlos Drummond de. “De notícias e não-notícias faz-se a crônica”. 8ª ed. Rio...
tracking img