Preconceito linguistico

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1737 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
PRECONCEITO LINGÜÍSTICO
O que é, como se faz?

Introdução

O estudo da língua tem um certo elemento de tema político, por se tratar de pessoas, de seres humanos. Lidar com a língua somente na forma normativa, é um grande erro milenar, pois leva a Língua em consideração como se fosse uma coisa morta, esquecendo-se das pessoas, que são vivas, que falam.
Com base nisso,surgiu o preconceito lingüístico. Foi criado no curso da história entre a língua e a gramática normativa. O motivo desta obra é desfazer essa confusão. Será citado no texto, várias reflexões sobre o tema de preconceito lingüístico., sobre discriminação e exclusão, que vem sendo alimentado no dia-a-dia em programas de televisão e de rádio, em colunas de jornais e revistas, em livros e manuais. Umasérie de mitos foi criada em torno disso tudo, e será o que vamos discutir de agora em diante.




MITO Nº 1
“A língua falada no Brasil apresenta uma unidade surpreendente”

Um dos erros mais sérios dos mitos do preconceito lingüístico no Brasil. Não existe uma unidade lingüística, exatamente por ser um país de grande extensão territorial, diferentes distribuições de renda, e grandedesequilíbrio educacional. Ao contrário do que se impõe nas escolas, sobre a norma culta e única do português, a língua sofre mudanças de acordo com a regionalidade, o grau de instrução das pessoas, das diferenças sociais e do acesso a cultura dos cidadãos.




MITO Nº 2
“Brasileiro não sabe português / Só em Portugal se fala bem português”

Aqui se reflete o complexo deinferioridade de nossa nação em relação a uma nação considerada mais antiga e de um povo mais “civilizado”. Mesmo pensamento se dá ao se pensar que o Brasil é um país subdesenvolvido porque sua população não é uma raça “pura”, mas sim o resultado de uma mistura negativa de raças, sendo duas delas a negra e a indígena, consideradas inferiores ao branco europeu. Equivalendo-se disse, se a raça não é pura, alíngua não poderá ser “pura”, segundo pensamento de intelectuais da linguagem.
Outra postura preconceituosa se estende no ensino tradicional da gramática nas escolas: dizer que nosso português é errado em relação ao falado em Portugal. Logicamente que o oriundo “português” , se dá apenas por comodidade e por razão histórica, por termos sido uma colônia de Portugal. Do ponto de vistalingüístico, porém, a língua falada no Brasil tem uma gramática própria, diferente da gramática da língua falada em Portugal. Há diferenças grandes nas duas linguagens, razões que muitas vezes fica difícil entender a linguagem de um cidadão português em relação ao brasileiro. Já na linguagem escrita formal, já a ortografia é praticamente a mesma, com poucas diferenças gramaticais.



MITO Nº 3“Português é muito difícil”

Esta frase se equipara àquela anterior de que “brasileiro não sabe português” , O que acontece na verdade, é que o ensino da língua sempre se baseou na norma gramatical de Portugal. As regras aprendidas na escola em boa parte não correspondem à língua que falamos e escrevemos no Brasil. Por isso a idéia de que o “português é uma língua difícil”, pois ter que decorarconceitos e regras que não significam nada pra nós, traz a tona esse mito. Isso acontece porque o ensino tradicional da língua no Brasil não leva em conta o uso brasileiro do português.
Se durante os anos de ensino fundamental e médio os professores se dedicassem mais ao que realmente fosse importante, se tivessem desenvolvidos as habilidades de expressão dos alunos, as pessoas sesentiriam mais seguras em poder redigir um texto . E mais além, a idéia do “português difícil” serve ainda como apoio às classes privilegiadas., como se a gramática pertencesse apenas áqueles que têm acesso a cultura.



MITO Nº 4
“As pessoas sem instrução falam tudo errado”

Do mesmo modo como existe o preconceito contra a fala de determinadas classes sociais, também existe o...
tracking img