Politica social

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1661 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
ALEXSANDRA MARIA DE MOURA
CHIRLEY DE FARIAS PEREIR
LUCIMAR PIO
ROSEMEIRE CARVALHO PEREIRA
ROSEMARY ALVES FORTUNATO
VIVIAN DE ALMEIDA SILVA
















POLÍTICA SOCIAL I


















UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO
São Paulo – 2012

ALEXSANDRA MARIADE MOURA RA: 911106444
CHIRLEY DE FARIAS PEREIRA RA: 911116109
LUCIMAR PIO   RA: 911117267
ROSEMEIRE CARVALHO PEREIRA RA: 911108702
ROSEMARY ALVES FORTUNATO RA: 911116799
VIVIAN DE ALMEIDA SILVARA: 911105117












POLÍTICA SOCIAL I











Atividade disciplinar do terceiro semestre do Curso de Serviço Social da Universidade Nove de Julho, apresentado como pré - requisito de aprovação da disciplina da grade curricular.
Orientador: Prof. Andre Vieira.












Quais são os principais teóricos efundamentos das explicações de ordem econômica e política sobre o surgimento do Welfare State?

“Muitos autores se dedicaram à tarefa de explicar a origem e desenvolvimento do welfare state. A bibliografia sobre o assunto é imensa. A controvérsia sobre as razões, significados e a perspectiva do fenômeno não é menos complexa”(ARRETCH, Marta:1995,p.02). Os principais teóricos que representam a explicativa eos fundamentos de ordem econômica e política sobre o surgimento do Welfare State são HAROLD WILENSKY; RICHARD TITMUSS; T. H.MARSHALL;ESPING-ANDERSEN ;IAN GOUGH, são certamente alguns trabalhos desses autores que melhor representam esta concepção.

Deve-se observar que, em alguns casos, autores são citados tantos nas determinações de ordem econômica como políticas, visto que ambas estãoestreitamente articuladas em certas abordagens metodológicas.

Algumas correntes dão maior peso a causações de natureza econômica. Neste caso, o fenômeno do Welfare State seria um resultado ou subproduto necessário das profundas transformações desencadeadas a partir do século XlX, sejam elas fenômeno da industrialização e modernização das sociedades ou o advento do modo capitalista de produção.Outras correntes atribuem a razão de ordem política ou institucional. Para estes, uma vez dadas determinadas condições econômicas, seja o surgimento dos programas de proteção social, seja suas formas de expansão, seja ainda suas variações tem como razão causal fatores relacionados a luta de classe, a distintas estruturas de poder político, ou ainda a distintas estruturas estatais e institucionais.O surgimento de programas sociais é um desdobramento necessário de tendências mais gerais postas em marcha pela industrialização “padrões mínimos, garantidos pelo governo, de renda, nutrição, saúde, habitação e educação para todos os cidadãos, assegurados como um direito político e não como caridade” está associado aos problemas e possibilidades postos pelo desenvolvimento da industrialização.De um lado, os gastos com programas sociais somente são possíveis por que a industrialização permite um vasto crescimento da riqueza das sociedades. Os programas sociais ou não aparecem ou permanecem insignificantes em sociedades que não produzam um excedente nacional suficiente para financiá-los. (Wilensky, 1975:15-6). Quanto mais ricos os países se tornam, mais semelhantes eles são na ampliaçãoda cobertura da população e dos riscos. Assim seriam irrelevantes outros mecanismos na constituição do Welfare State.

A industrialização tem efeitos sobre a estrutura da população, sobre a estrutura da estratificação social, sobre a estrutura de renda e a distribuição do poder, sobre os mecanismos através dos quais se realizara a socialização, mudanças estas tão radicais que exigiriam novas...
tracking img