polifarmacia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2847 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de junho de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
Polifarmácia: interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos

Polypharmacy: interaction and adverse reactions in the use of drugs by elderly people

Polifarmacia: interacciones y reacciones adversas en el uso de medicamentos por ancianos


Silvia Regina Secoli
Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem. Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica. São Paulo, SP________________________________________
RESUMO
O artigo tem por objetivo refletir sobre a polifarmácia em idosos com ênfase nas reações adversas e nas interações medicamentosas. A vulnerabilidade dos idosos aos problemas decorrentes do uso de medicamentos é bastante alta, o que se deve a complexidade dos problemas clínicos, à necessidade de múltiplos agentes terapêuticos e às alteraçõesfarmacocinéticas e farmacodinâmicas inerentes ao envelhecimento. Deste modo, racionalizar o uso de medicamentos e evitar os agravos advindos da polifarmácia serão, sem dúvida, um dos grandes desafios da saúde pública desse século.
Descritores: Uso de medicamentos; Idosos; Interação de medicamentos.
________________________________________
ABSTRACT
The article has for objective to reflect on thepolypharmacy of the aged with emphasis in the adverse drug reactions and the drug-drug interactions. The vulnerability of the elderly to the problems related from the use as of drugs is pretty upswing, the one to in case that must the complexity of the problems clinical, at the must as of need pharmacotherapeutic interventions, and to the update pharmacokinetic and pharmacodynamic changesinherent to the aging. In this way, to rationalize the drugs utilization and to avoid the injury related to the polypharmacy will be, doubtless, one of the biggest challenges for public health in this century.
Key words: Drug utilization; Aged; Drug interactions
________________________________________
RESUMEN
El artículo tiene el objetivo de reflejar sobre la polifarmacia en adultos mayores conénfasis en las reacciones adversas y las interacciones de los medicamentos. La vulnerabilidad de los adultos mayores a los problemas relativo del utilización del medicamento es muy alta, situación que se debe a la complejidad de las cuestiones de la salud, la necesidad de muchos medicamentos y las alteraciones farmacocinéticas y farmacodinámicas propias del envejecimiento. Así, racionalizar el uso demedicamentos y evitar los problemas provenientes de la polifarmacia serán, sin duda, uno de los mayores desafíos de la salud pública en esto siglo.
Descriptores: Utilización de medicamentos; Ancianos; Interacciones de drogas
________________________________________


INTRODUÇÃO
O uso de medicamentos constitui-se hoje uma epidemia entre idosos, cuja ocorrência tem como cenário o aumentoexponencial da prevalência de doenças crônicas e das seqüelas que acompanham o avançar da idade, o poder da industria farmacêutica e do marketing dos medicamentos e a medicalização presente na formação de parte expressiva dos profissionais da saúde.
As consequências do amplo uso de medicamentos têm impacto no âmbito clínico e econômico repercutindo na segurança do paciente. E, a despeito dos efeitosdramáticos que as mudanças orgânicas decorrentes do envelhecimento ocasionam na resposta aos medicamentos, a intervenção farmacológica é, ainda, a mais utilizada para o cuidado à pessoa idosa(1).
No Reino Unido, cerca de dois terços dos idosos utilizam medicamentos prescritos ou não, e um terço de todas as prescrições é feito para estas pessoas(2-3) . Nos Estados Unidos os idosos foramresponsáveis pela aquisição de um terço das prescrições médicas emitidas, e por 40% dos medicamentos vendidos sem receita médica(4). No Brasil estima-se que 23% da população consome 60% da produção nacional de medicamentos, especialmente as pessoas acima de 60 anos(5) . O Estudo Saúde, Bem-estar e Envelhecimento (SABE) realizado com 2.143 idosos da cidade de São Paulo apontou que 84,3% deles usaram...