Plm e erp

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 24 (5842 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
A FILOSOFIA E A SUA APLICAÇÃO A ENGENHARIA

















































SUMÁRIO





1. Introdução 3


2. O Pós-Positivismo de Popper 3


3. Macro e Micro-Teorias 5


4. A Teoria das Estruturas e a Sua Reformulação 7


5. Popper e a Metodologia do Projeto Tecnológico 8


6. Sobre os Paradigmas de Projeto,Seus Êxitos e Suas Falhas 9


7. Um Paradigma Metodológico Global e a Sua Rejeição 10


8. A Emergência da Inteligência Artificial 11


9. “Friendliness” e Analogia 12


10. Engenharia e Construtivismo 13


Referências Bibliográficas 16




































1. Introdução


A Escola de Viena da Filosofia da Ciência, que sedesenvolveu nas primeiras
décadas do século XX, tinha uma visão ambiciosa da Ciência. Acreditava,
nomeadamente, que seria possível formular normas gerais para o processo científico, analisar a estrutura lógica dos conhecimentos científicos, e mostrar que a Ciência serve o objectivo racional de adquirir um conhecimento global e fiável do Universo. Os filósofos da Escola de Viena, que representaram emgrande parte a correnteneo-positivista da Filosofia da Ciência, defendiam o chamado verificacionismo, segundo o qual as proposições das ciências empíricas só têm sentido se forem verificáveis por observações de carácter experimental. De acordo com os neo-positivistas, as construções teóricas susceptíveis de tornar possível explicar e prever, só seriam válidas se fossem apoiadas num procedimentohipotético-dedutivo resultante de uma combinação de indução e dedução.
O chamado Manifesto da Escola de Viena (1929) apresentou uma visão da
Ciência segundo a qual esta, “vista através das lentes da análise lógica (que se servia da logística) e modelada pela Física, poderia constituir uma base para a unidade do conhecimento”. Segundo os seus signatários, uma tal visão utópica da Ciência levaria auma concepção do Mundo totalmente livre de preconceitos, e aberta à inter-subjectividade, conceito que, na sua óptica, substituiria o da objectividade, que lhes parecia carregado de metafísica.
A concepção neo-positivista da Ciência, inspirada pela Física, negligenciava as
outras ciências, nomeadamente as ciências sociais. Também o universo da Engenharia, parte integrante de uma realidade que asciências em geral, e não exclusivamente a Lógica, a Matemática e a Física, são chamadas a teorizar, ultrapassava o estreito mundo das concepções neo-positivistas.





2. O Pós-Positivismo de Popper




Karl Popper foi o mais importante filósofo da Ciência no século XX. Pode
dizer-se que foi ele quem resolveu o problema do método científico que, na prática, nunca se conformara com osprincípios que Francis Bacon enunciara já nos fins doséculo XVI.
Segundo Popper, o conhecimento científico não é descoberto e verificado por via das generalizações indutivas, isto é, não salta dos instrumentos científicos de medida para espíritos humanos completamente vazios. Pelo contrário, o avanço da Ciência faz-se por falsificações dedutivas, seguindo um processo de conjecturas e refutações. Aexperiência e a observação permitem ensaiar teorias, mas são incapazes de as produzir. É a imaginação e a criatividade, não a indução, que geram verdadeiras teorias científicas. Foi assim possível que Einstein estudasse o Universo sem mais aparelhos do que lápis e pedaços de giz. Em 1934, Popper publicou a sua obra mais famosa : “The Logic of Scientific
Discovery”. Advogando o método dasconjecturas e refutações em vez do método indutivo, deu um golpe mortal no pós-positivismo. A partir da publicação dessa obra, o método indutivo, para o qual nunca tinha sido encontrado fundamento satisfatório, foi substituído pelo que Popper chamou o “deductive method of testing”.
Segundo Popper, o passo inicial no avanço da Ciência consiste na formulação
das teorias, que são seguidamente cotejadas...
tracking img