Peteca

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1188 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
KÉZIA GONÇALVES PIRES
LEONARDO JHONATAS M. DA SILVA
ROSENI GRIPPA

O COTIDIANO DA CRIANÇA LIVRE NO BRASIL ENTRE A COLÔNIA E O IMPÉRIO


LINHARES
2012

KÉZIA GONÇALVES PIRES
LEONARDO JHONATAS MOREIRA DA SILVA
ROSENI GRIPPA

O COTIDIANO DA CRIANÇA LIVRE NO BRASILENTRE A COLÔNIA E O IMPÉRIO


Resumo para avaliação do rendimento apropriado do capitulo III do livro História das crianças no Brasil da autora Mary Del Priore. Para a disciplina Fundamentos Teóricos e Metodológicos de Educação Infantil.

Orientador: Prof. Marluce SimoesLopes

LINHARES
2012
O COTIDIANO DA CRIANÇA LIVRE NO BRASIL ENTRE A COLÔNIA E O IMPÉRIO

A vida das crianças no Brasil do período que vai da colônia até o império (século XVI à XVIII), mudou apenas em alguns aspectos, certos modos de ver a criança nos dias atuais nos fazem reportar o passado para entender nossa visão nos dias de hoje.
Analisando a criança no passado são poucas as palavrapara defini-las . “MEUDOS”, “INGÊNUOS”, “INFANTES”, são estes alguns modos de referencia as crianças no período colonial, a infância ou puerícia durava até os 14 anos, era dividida em três fases a primeira vai do nascimento até os 3 à 4 anos, amamentação, a segunda que vai dos 4 aos 7 anos e a terceira que vai dos 7 anos em diante que caracteriza as crianças no dever de ter obrigações, trabalhar comos pais ou para as crianças ricas, estudar .
O processo de nascimento das crianças era algo bem atípico do que vivenciamos hoje em dia, as mães para ter seus filhos possuíam vários rituais e crenças, reflexos disso acontecem até os dias atuais, mães que no trabalho de parto recorriam a santos, se embriagavam, comiam comidas que acreditavam surtir efeitos positivos, criava-se simpatias. Existia umcarinho muito grande pelos pequenos , o espírito materno era acolhedor e preocupado com a saúde da criança, existia toda uma serie de cuidados que compunham a infância.
A alimentação dos pequeninos era outra grande preocupação dos adultos quanto as crianças, alguns hábitos como retirar a comida da boca e colocá-la na boca da criança com os dedos, dar-lhes comidas pesadas e de difícil digestão,valia-se de tudo para que a criança não ficasse com fome, mas a idéia central era não perder as crianças com medo que ela morresse antes mesmo de saírem da infância, o que pra nós hoje soa como atos de falta de higiene antigamente eram vista como forma de cuidados. Dava-se de tudo para as crianças comerem o que determinava que tipos de alimentos era apenas a questão se elas conseguiriam engolirfacilmente, por exemplo ao nascer os dentinhos a criança já passava a ter na sua alimentação pedaços de carne e alimentos mais sólidos. A dieta infantil também variou de acordo com seu grupo social, afinal estamos falando de brancos, índios e negros. Visto também que o ato de amamentação já era de extrema importância para a alimentação dos miúdos, sendo sempre priorizada, principalmente para afortificação e saúde das criança.
As crenças e costumes, ocasionaram a crença em bruxas ou pessoas que faziam mal as crianças, daí a grande preocupação das mães com seus filhos, acreditava-se em varias situações incabíveis para nós nos dias de hoje, exemplo de tal crendices era de que as bruxas é que ocasionavam nas crianças a doenças da época e os mal olhares, são algumas das doenças da infância daépoca o mal dos sete dias, sarna, impingem, sarampo, bexiga, lombrigas, erisipelas e varias outras. Como não havia uma medicina que elucidava e remediava com eficácia essas doenças a culpa era das bruxas mesmo e o que cabia a fazer era proteger os pequenos, daí os remédios, nada eficazes diga-se de passagem eram em sua maioria acompanhados de rezas e ervas que afastavam os maus espíritos e...
tracking img