Perspectivas para uma arquitetura organizacional competente e as arquiteturas do futuro

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1146 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS
UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE SANTA HELENA DE GOIÁS
PERSPECTIVAS PARA UMA ARQUITETURA ORGANIZACIONAL COMPETENTE E AS ARQUITETURAS DO FUTURO

SANTA HELENA DE GOIÁS
2011
INTRODUÇÃO

Este trabalho apresenta as perspectivas para uma arquitetura organizacional competente e as arquiteturas do futuro, as características da arquitetura organizacional e sua utilizaçãonas empresas, assim como as empresas devem utilizá-la, e o modo que não devem agir para não prejudicar a organização, serão vistos exemplos da utilização da arquitetura, e da arquitetura do futuro.

PERSPECTIVAS PARA UMA ARQUITETURA ORGANIZACIONAL COMPETENTE E AS ARQUITETURAS DO FUTURO

Em um ambiente altamente competitivo, graças a fatores econômicos, políticos e internacionais, onde acertar ouerrar pode significar o desaparecimento de uma organização, as questões que se apresentam para as organizações são complexas e recusam soluções fáceis. A arquitetura organizacional, neste contexto, indica uma nova abordagem para as organizações que se preocupam e desejam vencer tais obstáculos. Para Nadler et al. (2000), apenas quem entende seus postulados, percebendo os sinais de descontinuidadeno ambiente, pode criar rapidamente uma estratégia que viabilize a adaptação, sendo, portanto, bem-sucedido ao enfrentar as situações de crise. Este é o grande segredo da abordagem, como lembra Sefertzi (2000): permitir a adaptação inteligente que harmoniza a organização aos fatores externos. A flexibilidade que postula consiste em uma receita de extrema lucratividade.
Alguns pontos-chaveexistem no processo de arquitetura organizacional e precisam ser observados. A garantia de sucesso pleno, ao traçarmos um novo e revolucionário desenho capaz de responder a quaisquer adversidades presentes no meio externo, passa pela conjugação de inúmeros fatores que correspondem às perspectivas de uma boa arquitetura. Nadler, Gerstein e Shaw (1994) determinam desta forma, algumas das causas dedeclínio mais frequentes que devem ser evitadas durante o processo por serem nocivas à interação de tais fatores. São elas:

* A tentação de se ignorar clientes;
* Não investir em qualidade;
* Não ter um projeto;
* Não dar ênfase à manufatura, ou seja, não se importar com a maneira pela qual o produto é feito;
* Acreditar que não é preciso se importar com pequenos competidores;
*Acreditar que é possível fazer tudo sozinho, sem construir alianças;
* Subestimar a concorrência;
* Organizar-se tradicionalmente, imaginando que esta é a única forma correta;
* Não desenvolver os talentos de dentro da casa;
* Nunca questionar o sucesso.

Evitando essas práticas, Nadler, Gerstein e Shaw entendem que a organização tem grandes chances de obter uma arquitetura quelhe seja extremamente favorável. Contudo, deve estar atenta também para o que os autores chamam de tendências do futuro em desenhos organizacionais. Isto é preciso para que a organização saiba se posicionar em relação aos avanços que determinarão sempre e, cada vez mais, formas alternativas e surpreendentes de se realizarem negócios. Segundo estes mesmos autores, são exemplos de arquiteturas dofuturo:

* Organizações em rede, que incluirão fornecedores, concorrentes e clientes. Tudo para criar cadeias de valor eficientes e capazes de sobreviver às mudanças constantes;
* Limites organizacionais extremamente imprecisos, com a formulação intensa de parcerias;
* Adoção plena da filosofia de STAD em todos os níveis organizacionais, com ênfase em processos;
* Equipesadministrativas, por todos os níveis da organização, desempenharão o trabalho;
* Autonomia ampla para as unidades e equipes organizacionais, com o incremento do grau de responsabilização;
* Crescimento dos valores organizacionais como meio de coesão, em substituição às normas e regras;
* Maior fluidez nos formatos organizacionais;
* Ênfase para o aprendizado, principalmente sistêmico;...
tracking img