Perfurocontantes

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1155 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de abril de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Silvia Rita Marin da Silva Canini 2005

ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES E PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE

TRABALHO

Social

Riscos

1º caso HBV ocupacional há 50 anos
(Leibowitz)

1º caso HIV ocupacional 1984

HIV -

Primeiro caso ocupacional : 1984

Enfermeira - picada acidental com agulha ocaNEEDLESTICKS. Lancet, 1984

Pânico/profissionais Desafio CCIH Desafio Saúde Ocupacional

Problema Saúde Pública

GRUPOS DE RISCO

X

MEDIDAS DIFERENCIADAS

REFLEXÕES

HIV _ O preconceito não protege HCV+ ? + HBV+

HIV+

COMPORTAMENTOS DE RISCO

PRECAUÇÕES- PADRÃO

Precauções Universais Precauções Padrão

MMWR, 1988 GARNER. ICHE, 1996

Patógenos veiculados pelosangue
HBV - 6 a 40% HCV - 2 a 10% HIV - 0,3 a 0,5
SHAPIRO. Surg.Clin.North Am.,1995 PURO et al. AJIC, 1992 MMWR, 1994

Casos de transmissão ocupacional do HIV no mundo
Dados até setembro de 1997- 264 casos no mundo 170 casos possíveis e

94 documentados

55,4% - EUA 5,3% - Espanha

11,7% - França 4,4 % - Austrália 3,2% - África do Sul

5,3% - Itália 4,2% - Inglaterra

IPPOLITO et al.CID,1999

Casos de transmissão ocupacional do HIV nos Estados Unidos - 20 anos de vigilância
57 casos documentados

51 casos - percutâneos

24 casos (42%) - enfermeiros
Do et al. ICHE, 2003

Casos de transmissão ocupacional do HIV no Brasil

• 1999 - 1º caso documentado • Atualmente transmissão
BRASIL, 1999 RAPPARINI, 2001

3 casos - possível

EPIDEMIOLOGIA ACIDENTES
PAS Shankse AlHospitais kalai (1995) Arábia Saudita Basso (1999) PAS HU SP Enfermeiros Idade (64,5%) 25-40 anos Médicos (89,8%) (14,9%)
Exp. Prof (-) Jornada Trab. (-)

Idade < 5 anos Enfermeiros (69,9%) 21-40 anos (10,2%) (81,2%) > 40h/semana Médicos (48,3%) (44,5%) Enfermeiros (53,4%) Médicos (18,1%) Idade (-)
Exp. Prof (-) Jornada Trab. (-)

Monge (2001)

PAS Hospitais Espanha PAS HospitaisItália

Baldo (2002)

Idade Enfermeiros 0-4 anos 26-35 anos (38,4%) (78,0%) Jornada Trab. (37,1%) Médicos (-) (18,8%)

EPIDEMIOLOGIA ACIDENTES
Canini et al. (2002) P. Enf. HU RP/SP PAS Hospitais EUA P. Enf. Hospitais Interior SP P. Enf Hospitais Angola Enfermeiros Idade (21,3%) 21-40 anos Aux. Enf. (69,1%) (62,9%) Enf.Reg (31,9%) Médicos (28,3%) Aux.Enf. (58,5%) Idade (-)
< 1 ano (36,6%)Jornada Trab. (-) Jornada Trab. Enf (32h/s) Med (50h/s) 1 - 6 anos (43,3%) Jornada Trab. (-) Exp. Prof (-) Jornada Trab. (-)

Doebbeling (2003)

Marziale (2003)

Idade 30-40 anos (37,7%) Idade 20-30 anos (39,9%)

Nhamba (2004)

Enf. Geral (70,9%) Enf. Grad. (11,1%)

Estudo - Hospital Escola Califórnia 1986 a 1993 (881 injúrias percutâneas)
• descarte inadequado (no lixo, na roupa, nopiso) • manipulação de acessos venosos e heparinizados • durante o descarte de agulhas • reencape de agulhas • movimento brusco do paciente • coleta de sangue em veias ou artérias • iniciando uma punção endovenosa • durante e após outras injeções
HAIDUVEN et al. ICHE,1995

Proporção de acidentes percutâneos relacionados à prática de reencapar agulhas (1990 a 2003)

Estados Unidos, ArábiaSaudita, Espanha
45% - 3%

Brasil
35,7% - 15,1%

BREVIDELLI,2003

Estudo Hospital Escola-Ribeirão Preto,SP
123 PROFISSIONAIS – 127 ACIDENTES/1998.

Dispositivo Agulhas Escalpe Cateter teflon Lâmina de bisturi Lâmina de barbear Outros

Nº 60 31 11 08 05 12

% 47,24 24,41 8,67 6,30 3,94 9,44

CANINI, GIR, HAYASHIDA, MACHADO. RLAenf 2002.

Estudo Hospital Escola-Ribeirão Preto,SP
1066dispositivos - 10 caixas de descarte/1998

Dispositivo

Com capa Nº %
72,0 80,2 100,0 66,7 73,2

Sem capa Nº
238 29 19 286

%
28,0 19,8 33,3 26,8

Agulhas Ocas Escalpes Cateter Teflon Outros Total

613 118 11 38 780

CANINI et al. ICHE, 2002.

FATORES RELACIONADOS À SOROCONVERSÃO PARA O HIV, APÓS ACIDENTES PERCUTÂNEOS ENTRE TRABALHADORES DA ÁREA DA SAÚDE

1) FATORES DE...
tracking img