Pau dos ferros: centro polarizador das pequenas cidades do alto oeste potiguar

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2408 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
PAU DOS FERROS: CENTRO POLARIZADOR DAS PEQUENAS CIDADES DO ALTO OESTE POTIGUAR

Keliane Queiroz de lima Graduanda em Geografia e Bolsista PIBIC/CNPq do CAMEAM/UERN kelianekeli@hotmail.com Josué Alencar Bezerra Professor Mestre do Curso de Geografia do CAMEAMUERN josuebezerra@uern.br

O presente trabalho nasce a partir da discussão desenvolvida no Núcleo de Estudos em Geografia Agrária eRegional (NuGAR), do Curso de Geografia do CAMEAM/UERN, sobre a produção do espaço das pequenas cidades do semiárido nordestino, caracterizadas pela ausência de políticas públicas e atividades econômicas voltadas para o desenvolvimento da população, bem como pela forte dependência desses espaços em relação a centros que apresentam maior dinâmica econômica, como é o caso de Pau dos Ferros no AltoOeste Potiguar. O estudo das pequenas cidades do Alto Oeste Potiguar possibilita o entendimento da problemática que envolve as cidades desse porte, sobretudo as que estão inseridas nas regiões economicamente frágeis, como grande parte do semiárido nordestino. A busca de subsídios necessários à interpretação da realidade urbana desses espaços foi encaminhada por meio de estudos teóricos e empíricos.Realizamos uma pesquisa bibliográfica sobre os autores que discutem a temática em questão bem como sobre a evolução histórica do processo de formação das cidades junto à historiografia norte-rio-grandense, um levantamento estatístico junto ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) além de entrevistas abertas realizadas junto aos moradores comerciantes e gestores das cidadespesquisadas. A partir da análise qualitativa, através do estudo teórico e in loco, entendemos a lógica do funcionamento destes espaços que apontam para uma insuficiente atuação do poder público, contribuindo para o surgimento de vários problemas socioespaciais. A grande fragilidade econômica destas cidades associada ao desemprego generalizado e ausência de infra-estrutura urbana para garantir a demandasocial, tornam as pequenas cidades da região dependentes de centros de maior porte, como a cidade de Pau dos Ferros, centro polarizador na região. Para tanto, neste trabalho, faremos uma breve discussão sobre a problemática no estudo

das pequenas cidades e a realidade destes espaços no Alto Oeste Potiguar. Em seguida, teceremos algumas considerações sobre o papel da cidade de Pau dos Ferroscomo centro polarizador da região. No Brasil, segundo o IBGE (2008), cerca de 84,31 % das sedes dos municípios brasileiros possuem uma população inferior a 20 mil habitantes, sendo assim, consideradas como pequenas cidades. A diversidade e heterogeneidade regional brasileira têm gerado dificuldades na compreensão da produção desses espaços. Apesar de amplamente utilizado, o critério populacional,enquanto único ou principal recorte para distinguir o tamanho das cidades, é questionado por autores como Santos (1979, p. 69) que afirma
Aceitar um número mínimo, como fizeram diversos países e também as Nações Unidas, para caracterizar diferentes tipos de cidades no mundo inteiro, é incorrer no perigo de uma generalização perigosa.

Segundo Maia (2005), não devemos deixar de considerar ocritério populacional, no entanto, não se pode partir somente dele. Para tanto, Pereira (2008) propõe algumas características que, segundo ela, devem ser pensadas no estudo das pequenas cidades, sendo a baixa oferta de serviços de saúde, segurança e educação, pouca articulação com as cidades ao entorno, atividades econômicas incipientes, trabalho principalmente no setor público, e grandepredominância do rural. Sobre este último aspecto, muitos autores têm enveredado na discussão das relações entre o rural e o urbano como meio para a compreensão das pequenas cidades. Corrêa (1991, p.14) afirma que, com as novas transformações ocorridas no final do século XX e início do século XXI, estas cidades “[...] passaram a constituir locais de concentração de força de trabalho rural. Muitas delas,...
tracking img