Papel das pessoas portadoras de deficiencia visual e politica do seu enquadramento-caso mocambicanos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 54 (13424 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de março de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
.
“Comerás do fruto do teu trabalho, serás feliz e prosperarás” (SALMOS, 1995, p.682.ver 128) e, “Não há outra felicidade para o homem além de comer, beber e gozar do bem-estar, fruto do seu trabalho” (ECLESIASTES, 1995, p.741.Ver24).



Ao meu pai João António Manuel, minha esposa, Felisbela dos Santos Nogueira e meus filhos, Suzel, Yuri, Laura, Rustana e Emerson, meus familiares e amigos,por toda a ajuda e incentivo nos momentos de angústia, cuja compreensão e alegria foram indispensáveis para a finalização deste trabalho




















Agradecimentos

Muitos foram os que deram a sua contribuição, directa ou indirecta, para a elaboração deste trabalho de fim de curso, entre familiares, amigos e colegas, sem perder de vista os profissionais de economiaque mais de perto colaboraram: a todos, a minha sincera manifestação de imensa gratidão. Agradeço pois aos funcionários do INE e da ACAMO, que se mostraram totalmente disponíveis em ceder informação estatística relevante para o trabalho. Um agradecimento aos meus amigos, em particular António Viagem Maquina bem como o Casal António Dias Timóteo, proprietário da Pensão Africana, onde resido, pelacontínua força que sempre me deram e não esquecendo de referir aos docentes da faculdade de economia e o tutor, que me ajudaram a realizar o grande sonho de me formar em economia.

Agradeço especialmente a minha mãe Maria Laura da Conceição (em homenagem) que comemorou e se alegrou comigo no meu ingresso neste curso de Economia, e que mesmo hoje, não estando presente fisicamente, está me apoiandoe transmitindo sua força e alegria... Seus ensinamentos, suas palavras são a inspiração e incentivo para o meu trabalho..., que tenha um eterno descanso.

Sumário Executivo

Este trabalho tem como objectivo verificar o Papel das Pessoas Portadoras de Deficiência Visual e política do seu enquadramento. O trabalho busca também analisar a situação educacional deste extracto social, bem como aparticipação e o encaminhamento do processo de qualificação de tais sujeitos. O estudo conta com a participação das Pessoas Portadoras de deficiência visual (PPDV) associados a ACAMO – Associação dos Cegos e Ambliopes de Moçambique.. A análise dos dados evidencia que o processo educacional vivido pelas PPDVs foram alcançadas por dificuldades no seu quotidiano escolar, expressas em função dosobstáculos aos recursos didácticos e também a metodologia e a forma como actuaram os professores em sua prática pedagógica.. Quanto ao mercado de trabalho, observou-se neste trabalho que as PPDV encontram-se exercendo ocupações predeterminadas, resultante de enquadramentos e determinismo que foram se desenvolvendo por razões históricas de preconceito e discriminação. Que em Moçambique a grande percentagemdas PPDVs continuam a enfrentar sérios problemas de acesso a serviços sociais e programas de assistência públicas, com particular, educação, reabilitação baseada na comunidade, e na sua inclusão aos programas e planificação de alivio à pobreza, geração de rendimentos, bem como no aproveitamento correcto das infra-estruturas de desenvolvimento disponíveis na comunidade. O facto de existir no paispolíticas e leis apropriadas à inclusão, tais como a política nacional das Pessoas Portadoras de Deficiencias (PPD), aprovada pelo Conselho de Ministérios em Julho de 1998, e o Plano Nacional de Acção para a área da Deficiência, (PNAD) aprovado também pelo Conselho de Ministros em Março de 2006, documentos que não têm sido utilizados para influenciar uma planificação inclusiva e integrada, nãosomente ao nível do Governo, mas também de outros sectores públicos e privados. Mais ainda, acrescenta-se as leis a Convenção internacional de promoção e protecção dos direitos das PPD, aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em Dezembro de 2006, a qual fora assinada pelo Governo de Moçambique, em Março de 2007, permanecendo totalmente ignorada nos actos de planificação e governação do...
tracking img