Normas de biomedicina em organismos trangenico

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 32 (7935 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Introdução

Nos últimos vinte e cinco anos, descobertas científicas que ocorreram principalmente nas áreas de biologia celular e molecular, combinadas com avanços nas áreas de química e microeletrônica produziram novas tecnologias que, já na década de oitenta, modificaram todos os setores tecnológicos e industriais relacionados com a biologia, entre os quais, a agricultura.
Pela tecnologia doDNA recombinante, genes de praticamente qualquer organismo, podem ser isolados, caracterizados, modificados e transferidos para qualquer outro organismo onde, sob o comando de promotores adequados, se expressam em quantidades desejadas em células e tecidos específicos, sob preciso controle temporal. Foram, assim, eliminadas as barreiras biológicas que isolaram os genomas, como conseqüência demilhões de anos de evolução.
A transformação genética de vegetais permite a introdução de genes específicos no genoma de cultivares comerciais. Esta tecnologia vem auxiliar os programas de melhoramento, permitindo o fluxo de genes para plantas, os quais seriam impossíveis de serem transferidos através de cruzamentos sexuais ou fusão de gametas. As plantas obtidas no processo de transformação genéticadevem ser introduzidas em um programa de melhoramento para o desenvolvimento de novas cultivares.
O uso de plantas geneticamente modificadas tem gerado uma séria polêmica em diversos países, inclusive no Brasil, no que diz respeito à biossegurança e a rotulagem dos produtos comercializados. As empresas de biotecnologia, por sua vez, buscam associar os cultivos transgênicos ao novo paradigmaagrícola, capaz de resolver os problemas mundiais de alimentação e saúde. Porém, a sociedade já começa a perceber que a pressão e a urgência para a introdução dos cultivos geneticamente modificados nada têm a ver com a solução da fome e da pobreza dos países do Terceiro Mundo, nem com a proteção ambiental. Mas, sim, com o retorno imediato dos vultuosos investimentos feitos por estas grandes companhias,prevalecendo, então, os interesses comerciais. A biotecnologia não pode isoladamente resolver todos os problemas da fome, podendo fazer parte de um programa de crescimento global da agricultura, baseado no desenvolvimento econômico e educacional.
Os programas de pesquisa em melhoramento vegetal estão sendo integrados às novas técnicas biotecnológicas, a fim de solucionar problemas oriundos doprocesso usual de seleção. Mas, os reflexos desses negócios estão sendo questionados pela sociedade, especialmente pela centralização das coleções de germoplasmas por poucos grupos econômicos multinacionais.
Os países em desenvolvimento estão relativamente atrasados na pesquisa e emprego de plantas transgênicas. No Brasil só agora os primeiros cultivares de soja serão liberados para os agricultores.Recentemente, a atuação dos pesquisadores brasileiros tem merecido destaque devido, principalmente, ao grande êxito do projeto GENOMA da FAPESP, embora nossos pesquisadores estejam sendo capacitados em biotecnologia desde a década de setenta.
No presente artigo procurou-se descrever esta nova tecnologia, as controvérsias sobre os seus impactos ambientais e as potencialidades do seu emprego noBrasil, bem como seus reflexos no negócio agrícola e na geração de tecnologias nacionais.




TRANSFORMAÇÃO GENÉTICA DE PLANTAS
Um caminho que tem sido utilizado é a busca de características agronomicamente importantes em espécies selvagens afins das espécies cultivadas. Este caminho, entretanto, nem sempre é viável, uma vez que barreiras de isolamento reprodutivo podem impedir o sucesso nocruzamento. É importante salientar também que, sempre que for utilizado o método de cruzamento, seja intra-específico (entre plantas de uma mesma espécie), como interespecífico, mesmo que o melhorista esteja interessado em uma ou poucas características, grandes blocos de genes são transferidos da planta doadora para a receptora, mesmo após várias gerações de seleção. Por exemplo, quando comemos...
tracking img