Nois

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (757 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Rachel de Queiroz, nasceu em Fortaleza, no dia 17 de novembro de 1910.

Filha de Daniel de Queiroz Lima e de Clotilde Franklin de Queiroz, descendente pelo lado materno da família de José deAlencar.

Rachel de Queiroz foi uma escritora, jornalista, romancista, cronista, tradutora e teatróloga brasileira.

Foi a primeira mulher a entrar para a Academia Brasileira de Letras.

Em 1917, foipara o Rio de Janeiro, junto com a família, que procurava fugir da seca que desde 1915 atingia a região. Mais tarde a romancista iria aproveitar o tema para escrever seu primeiro livro "O Quinze".Quando retornam ao Ceará, Rachel é matriculada no curso normal, como interna do Colégio Imaculada Conceição, formando-se professora em 1925, aos 15 anos de idade. 
Rachel retorna à fazenda dos pais,em Quixadá. Dedica-se inteiramente à leitura, orientada por sua mãe.
O constante ler estimula os primeiros escritos. Envergonhada, não mostrava seus textos a ninguém.
Estreou no jornalismo em 1927,no Jornal O Ceará, com o pseudônimo de Rita de Queluz.

Submetida a rígido tratamento de saúde, em 1930, face a uma congestão pulmonar e suspeita de tuberculose, a autora se vê obrigada a fazerrepouso e resolve escrever "um livro sobre a seca".

O livro logo transformaria Rachel numa personalidade literária. 

Casa-se com o poeta bissexto José Auto da Cruz Oliveira, em 1932.
No anoseguinte em 1933, nasce sua filha Clotilde, que vem a falecer aos 18 meses, vítima de septicemia.
O lançamento do romance "Caminho de Pedras". Com a decretação do Estado Novo, seus livros são queimados emSalvador, juntamente com os de Jorge Amado, José Lins do Rego e Graciliano Ramos, sob a acusação de subversivos. 
Em 1939, separa-se de seu marido e muda-se para o Rio, onde publica seu quartoromance, "As Três Marias".
Por intermédio de seu primo, o médico e escritor Pedro Nava, em 1940 conhece o também médico Oyama de Macedo, com quem passa a viver. O casamento duraria até à morte do marido,...
tracking img