Nenhum

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1876 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
24 DE OUTUBRO DE 1929: OS AMERICANOS QUEBRAM O MUNDO, PARTE I





Os acontecimentos que se deram em 24/10/1929, iniciaram a mais profunda e pesada recessão da história do capitalismo, excetuando-se os períodos de guerra. Nesse dia a bolsa de valores de Nova Iorque registrou uma queda nunca antes vista, gota fatal que transbordou o copo cheio que se tornara a estruturaprodutiva americana. Mais de dez anos se passariam para que os efeitos dessa crise se dissipassem, justamente com o início da Segunda Guerra Mundial. O resultado da recessão profunda foi a perda de inúmeras empresas, bancos, empregos e famílias.
Mas a quase derrocada do capitalismo americano (e posteriormente mundial) não começa com a queda da bolsa. Essa queda é o golpe mais forte impulsionado poralgumas pequenas marteladas de aviso durante a década de trinta. Seguem abaixo alguns fatos que contribuíram para a chamada “Quinta-Feira Negra”, que serviria posteriormente como gatilho para o grande período depressivo:


a) a ausência de controles quanto a especulação desenfreada na bolsa de valores: qualquer um podia comprar um lote de ações tendo apenas 10% do valor de face,emprestando o restante dos bancos comerciais. Esse simples fato levará milhares de bancos à falência no curto prazo, dada a crise;
b) aumento desenfreado do preço das ações, dada a falta de oferta de papéis de empresas dadas como “importantes”. Esse aumento no preço dos papéis deixara de acompanhar o aumento na produção em meados da década de 1920;
c) o comportamento agressivo-especulador[2]engendrado na sociedade americana durante a prosperidade dos anos vinte, onde o lucro fácil em qualquer negociata era buscado em questão de dias, quando não de horas[3];
d) a queda nos lucros do sistema produtivo, causada pela superprodução. O mercado consumidor não acompanhara a oferta de bens e serviços, o que ocasionaria queda nos lucros dos capitalistas, que mais tarde diminuíram oinvestimento produtivo, cortando postos de trabalho[4];
e) a recuperação européia, principalmente na agricultura. Com isso e com a competição de países subdesenvolvidos a partir da segunda metade da década de 1920 os agricultores americanos se endividaram para formar estoques, dependendo cada vez mais dos bancos para financiar tal processo. O preço dos bens agrícolas caía dia após dia[5].O reflexo desse mecanismo começou a ser sentido em março de 1929, com as primeiras baixas de ações. Algumas perdas foram observadas, embora não o suficiente para abalar a fé recém adquirida dos americanos nos papéis da bolsa de valores. Ainda que houvesse o pensamento de alguns numa possível bolha prestes a estourar em questão de tempo, seus brados eram calados pelos dados e pela pujança deuma economia que alcançara posição de vanguarda após ter financiado os países aliados na Primeira Guerra Mundial, e a supri-los em sua reconstrução.
É inegável que o golpe fatal veio em 24 de outubro. Nesse dia, a “Quinta-Feira Negra”, mais de 13 milhões de ações foram postas à venda, sem encontrar comprador. Era a primeira vez que o desespero total tomava conta de Wall Street. A bolsafora fechada à tarde para que os banqueiros (talvez um dos grandes responsáveis) pudessem apurar suas perdas e confabularem sobre uma possível saída de menor dramaticidade. De nada adiantou. Até o fim de do mês de dezembro seguiu-se um verdadeiro caos, pois o efeito multiplicador da crise era perverso: aqueles que pediram capital emprestado aos bancos para especular não tinham mais como pagar, e osbancos, dada a gigantesca inadimplência e o desespero dos clientes ao sacarem suas economias, acabavam mesmo quebrando.
O desespero da bolsa durou poucas semanas, mas semeou o que seria colhido nos próximos dez anos. Percebe-se aí a primeira grande conseqüência: a falência do sistema financeiro. É o setor financeiro quem canaliza os investimentos gerados pela poupança, que conta com a...
tracking img