Ndndndnd

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (301 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
(...) a relação de poder que fundamenta o exercício da punição começa a ser acompanhada por uma relação de objeto na qual se encontram incluídos não só o crime como fato a estabelecersegundo normas comuns, mas o criminoso como individuo a conhecer segundo critérios específicos. (...) Os processos de objetivação nascem nas próprias táticas do poder e na distribuição deseu exercício. (p. 85)
A objetivação do criminoso fora da lei, como homem da natureza, não passa ainda de uma virtualidade, uma linha de fuga, onde se entrecruzam os temas da críticapolítica e as figuras do imaginário. (...) A outra objetivação [do crime], ao contrario, teve efeitos muito mais rápidos e decisivos na medida em que estava mais diretamente ligada àreorganização do poder de punir; codificação, definição dos papeis, tarifação das penas, regras de procedimento, definição do papel dos magistrados. E também porque se apoiava sobre odiscurso já constituído dos Ideólogos. (...) O pensamento dos ideólogos não foi apenas uma teoria do individuo e da sociedade; desenvolveu-se como uma tecnologia dos poderes sutis, eficazes eeconômicos, em oposição aos gastos santuários do poder dos soberanos. (p. 85-86)
Essa semiotécnica das punições, esse "poder ideológico" e que, pelo menos em parte, vai ficar emsuspenso e será substituído por uma nova anatomia política em que o corpo novamente, mas numa forma inédita, será o personagem principal. E essa nova anatomia política permitirá recruzar asduas linhas divergentes de objetivação que vemos formar-se no século XVIII: a que rejeita o criminoso para "o outro lado" - o lado de uma natureza contra a natureza; e a que procuracontrolar a delinquência por uma anatomia calculada das punições. Um exame da nova arte de punir mostra bem a substituição da semiotécnica punitiva por uma nova política do corpo. (p. 86)
tracking img