Museu da lingua portuguesa

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (901 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de setembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Museu da Língua Portuguesa.

O museu da Língua Portuguesa se localiza ao lado da estação Luz, ao chegar no portão de entrada fui direcionada para o 2º andar, me deparei com uma sala escura, com umpainel que preenche o início ao fim do corredor, composto por vários filmes que ilustram a Língua Portuguesa no cotidiano.
Seguindo enfrente encontrei alguns objetos expostos, como sapatos, brincos,pratos, e até mesmo um sutiã, ao lado alguns mapas que falam a Língua Portuguesa, na parede oposta ao painel encontrei a língua do tempo e artigos que falam sobre a nossa língua.
No final do corredorse localiza a sala que mais chamou a minha atenção o “Beco das Palavras” que são compostos por três equipamentos digitais que ao tocar nas sílabas é possível formar palavras e ver a origens esignificados. Ao sair da entrei por uma porta onde fica ilustrada a história da estação Luz com fotos e informações.
As 13h15min fui para o 3º Andar onde foi passado um filme de 10 minutos, narrado porFernanda Montenegro, sobre “As Origens das Línguas” logo telão se abriu e fomos convidados a entrar em uma espécie de planetária, com várias imagens refletidas de luz sobre o teto e nas paredes, com anarração de cantigas e poema, ao sairmos encontrei um corredor com todas as cantigas e poemas que ouvimos, uma delas é:

Canção do Exílio.

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves,que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cisma, sozinho, á noite,
Maisprazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cisma, sozinho, á noite,
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terratem Palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que disfrute os primores,
Que não encontro por cá.
Sem qu’inda avista as palmeiras,
Onde canta...
tracking img