Metodologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 37 (9177 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
FREITAS, Myrian Azevedo de; NEIVA, Aurora M. S.. Estruturação silábica e processos fonológicos no inglês e no português: empréstimos e aquisição. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL. V. 4, n. 7, agosto de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br].

ESTRUTURAÇÃO SILÁBICA E PROCESSOS FONOLÓGICOS NO INGLÊS E NO PORTUGUÊS: EMPRÉSTIMOS E AQUISIÇÃO
Myrian Azevedo de Freitas1 Aurora M. S.Neiva2 myfreitas@ufrj.br aneiva@ufrj.br

RESUMO: Falantes cariocas utilizam as mesmas estratégias fonotáticas tanto na nativização de empréstimos do inglês como no processo de aquisição de inglês como LE. As diferenças de estruturação silábica entre as duas línguas respondem em grande parte pela escolha feita pelo aluno em seu desempenho oral e pelo falante na adaptação de empréstimos do inglês.Este trabalho restringe-se ao exame de processos fonológicos que envolvem constituintes da coda e ataque silábicos e que se mostraram relevantes na análise de mecanismos de nativização de empréstimos e na identificação de marcas de sotaque de estrangeiro na fala de brasileiros aprendizes de inglês. Conclui-se que o molde silábico da língua portuguesa se impõe em ambos os casos, direcionando asescolhas tanto do aprendiz, como do falante usuário do empréstimo, quando se deparam com um molde silábico não contemplado no português brasileiro PALAVRAS-CHAVE: estrutura silábica; processos fonológicos; estratégias de nativização; inglês língua estrangeira; fonologia de empréstimos.

INTRODUÇÃO Este trabalho versa sobre as estratégias em comum utilizadas por falantes brasileiros em duassituações distintas: na adaptação de empréstimos do inglês para o português e em seu desempenho oral enquanto aprendiz de inglês como língua estrangeira, constituindo-se num dos principais fatores que caracterizam o seu sotaque de estrangeiro. A abordagem aqui se restringe às estratégias que advêm da necessidade de lidar com as diferenças do inglês e do português quanto à estruturação silábica.
1 2Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ.

1

Partindo da observação de dados provenientes tanto da análise de empréstimos do inglês no português, quanto da produção oral de alunos de inglês como LE, foi observado um paralelismo entre as estratégias adotadas para a nativização de empréstimos e aquelas aplicadas pelo aprendiz em sua fala,tornando-a diferente da pronúncia do nativo. Outro objetivo deste artigo é corroborar a importância da sílaba enquanto unidade estrutural, a partir da identificação de processos fonológicos nos dados do corpus que afetam os segmentos dependendo de sua posição na sílaba, e constituem violações a restrições fonotáticas de superfície, ou seja, às regras de boa formação que regem o número de elementosadmitidos em cada uma das partes constituintes da sílaba, sua natureza e ordenação. O enfoque da questão ficará restrito ao exame de processos sensíveis à constituição silábica que afetam segmentos consonantais em posições marginais da sílaba, ou seja, no ataque e na coda. Cabe, portanto, um rápido exame prévio da sílaba e dos padrões silábicos admitidos no inglês e no português, antes de serapresentada a análise dos dados propriamente dita.

1. A SÍLABA A sílaba, como unidade fonotática, é constituída por um ou mais segmentos, compreendendo um núcleo obrigatório de natureza vocálica e margens opcionais consonânticas, isto é, ataque e coda. A contagem do número de sílabas em qualquer língua não se revela uma tarefa complexa, visto que cada vogal coincide com uma sílaba. O problema maiorreside em determinar as fronteiras silábicas, por dois motivos. Em primeiro lugar, o número de segmentos admissíveis nas margens, esquerda (ataque) ou direita (coda), varia de língua para língua; além disso, ainda que duas línguas admitam o mesmo número de segmentos nas margens, a natureza e a seqüenciação de tais segmentos podem divergir. Embora haja uma escala de sonoridade que traduz a tendência...
tracking img