Metafisica livro4 aristoteles

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 22 (5495 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
ARISTOTELOYS TA META TA FYSIKA METAFÍSICA DE ARISTÓTELES LIVRO 4 BIBLION GAMMA Tradução feita pelo grupo de pesquisa Do projeto OUSIA Coord. Prof. Dr. Fernando Santoro

1 1003ª Há uma certa ciência que teoriza o ente enquanto ente e o quanto recai sob seu domínio por si mesmo. Esta, porém, não é nenhuma das ciências chamadas setoriais; pois nenhuma das outras investiga universalmente o enteenquanto ente, mas, tendo elas seccionado alguma parte sua, teorizam acerca do ente o que lhe é coincidente, como, por exemplo, as ciências matemáticas. Posto, ainda, que buscamos os princípios e as mais elevadas causas, é claro que estes são necessariamente de alguma natureza por si mesma. Se de fato também os que buscavam os elementos dos entes buscavam estes princípios, é necessário, então, que oselementos do ente não sejam por coincidência mas enquanto entes. Por isso devemos apreender as primeiras causas do ente enquanto ente. 2 Porém, o ente se diz de muitas maneiras, mas relativo a uma unidade, i.e., a uma certa natureza única, e não por homonímia; assim como se diz saudável tudo quanto se relaciona à saúde, tanto o que a resguarda quanto o que a produz como o que é seu sinal e o queestá disposto para ela; ou ainda como se diz medicinal tudo quanto é relativo à 1003b medicina: aquele que possui esta arte, o que tem boa tendência para ela, e aquilo que é a sua tarefa. Podemos tomar várias outras expressões que sejam de modo semelhante a estas. Assim, se por um lado o ente se diz de muitas maneiras, são, no entanto, todas estas expressões, relativas a um único princípio: poisuns são ditos entes porque são vigências, outros porque são afecções da vigência, ou porque são encaminhamento à vigência, ou destruições, ou privações, ou qualidades, ou produções, ou gerações da vigência ou do que é dito em relação à vigência, ou ainda porque são negações de alguma destas ou da vigência; por isso, também do não ente dizemos que é não ente. E do mesmo modo como, efetivamente, háuma única ciência de tudo quanto é saudável, assim também é para as outras coisas. Pois não há somente o teorizar de uma ciência do que é dito segundo uma unidade, mas sim das coisas ditas em relação a uma única natureza, pois isso também é um modo dito segundo uma unidade. De fato, é claro que para os entes

há uma única teorização enquanto entes. De todo modo, a ciência é principalmenteciência do que é primeiro, e do que todas as outras coisas dependem e pelo que são nomeadas. Se, efetivamente, isto é a entidade ou vigência, é das vigências que o filósofo deveria obter os princípios e as causas. De todo gênero, porém, há uma percepção única de cada um, e também uma única ciência, como, por exemplo, a gramática que, sendo uma, teoriza toda expressão falada. Por isso, há uma únicaciência que teoriza em geral cada aspecto do ente e cada aspecto dos aspectos (cada espécie, cada diferença). Se, com efeito, o ente e o uno são o mesmo e uma única natureza é por corresponderem um ao outro, do mesmo modo que o princípio e a causa, mas não como se fossem expressos numa única palavra (em nada difere que os tomemos por semelhantes, isto até adiantaria a nossa tarefa) — pois é o mesmo "umhomem" e "homem sendo" e "homem" e não é diferente o que se revela no redobro da expressão "um homem" para "um homem sendo", mas é evidente que não se separa [o ente do uno] nem por geração nem por corrupção e , de modo semelhante, nem também pela unidade; de modo que, visivelmente, a justaposição neste caso revela o mesmo; além do mais, a vigência de cada coisa é uma, e não por coincidência, masdo mesmo modo e justamente porque é algo sendo — de tal modo que tantos quantos forem os aspectos respectivos ao uno, tantos serão com respeito ao ente, acerca dos quais cabe a esta mesma ciência genericamente teorizar o que é. Falo, por exemplo, como do "mesmo", 1004a do "semelhante" e de outros que tais. E quase todos as oposições são conduzidas a este princípio (porém já as teorizamos em...
tracking img