MARCELA

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 31 (7604 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de novembro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA




MARCELA SILVA DOS SANTOS










Relatório de Estagio Básico Social I
Profa. Elaine Ap. Bacilieri






Santo André
2013

CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA







Relatório Estagio Básico Social I



Relatório apresentado ao Centro Universitário Anhanguera
, para obtenção de nota parcial na matéria.
Estagio BásicoSocial I


ORIENTADORA: Profa. Elaine Ap. Bacilieri







Santo André
2013

RESUMO




















SUMÁRIO
































INTRODUÇÃO
O surgimento da psicologia social por meio das perspectivas sociológicas epsicológicas possibilitou ressaltar aimportância dos estudos sobre as relaçõessociais. Os conhecimentossobre indivíduo,grupo e sociedade contribuíram para ampliaras possibilidades de investigação.
No Brasil, muitas famílias de nível socioeconômico desfavorecido vivenciam aproblemática da institucionalização de suas crianças e adolescentes. Fatores de riscopresentes na família, como violência doméstica, alcoolismo, doença mental dos pais,pobreza, entre outros, são apontados como influentes para oaumento da vulnerabilidade
dos seus integrantes. Esses fatores podem contribuir para o ingresso de crianças eadolescentes em instituições de abrigo. Este movimento no espaço ecológico, chamado por Bronfenbrenner (1979/1996) de transição ecológica, do ambiente familiar para o abrigo, provoca inúmeras mudanças em suas vidas e nas suas redes de apoio social e afetivo.
O abrigamento é uma medidade proteção, preconizada pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (1990), utilizada sempre que os direitos desses estão sob ameaça ou são violados. Entretanto, o abrigo passa a constituir uma das mais importantes fontes de apoio para essas crianças e adolescentes, visto que, na maioria das vezes, os vínculos familiares ainda existentes são frágeis.
Rede de apoio social é definida como conjuntode sistemas e de pessoas significativas que compõem os elos de relacionamento recebidos e percebidos do indivíduo (Brito &Koller, 1999). O apoio social é considerado uma importante dimensão do desenvolvimento, constituindo uma interface entre o sujeito e o sistema social do qual ele faz parte (Garmezy&Masten, 1994). O apoio afetivo é igualmente fundamental por ser responsável por imprimir qualidadeàs relações e contribuir para a manutenção dos vínculos (Bronfenbrenner, 1979/1996).
Assim, o apoio social e afetivo está relacionado à percepção que a pessoa tem de seu mundo social, como se orienta nele, suas estratégias e competências para estabelecer vínculos, e com os recursos que esse lhe oferece, como proteção e força, frente a situações de risco que se apresentam (Brito &Koller, 1999).Segundo Garmezy e Masten (1994), a rede de apoio contribui para o aumento da
competência individual, que reforça a auto-imagem e a auto-eficácia necessárias para
alcançar um objetivo.
A rede de apoio social está associada à saúde e ao bem-estar dos indivíduos (Samuelsson, Thernlund, &Ringström, 1996), sendo um fator fundamental para o processo de adaptação a situações de estresse e desuscetibilidade a distúrbios físicos e emocionais (Masten&Garmezy, 1985; Rutter, 1987).
Ela é dinâmica, construída e reconstruída em todas as fases da vida. O efeito protetivo que o apoio social oferece está relacionado ao desenvolvimento da capacidade de enfrentamento das adversidades, promovendo processos de resiliência e desenvolvimento adaptativo (Brito &Koller, 1999; Garmezy&Masten, 1994;Rutter, 1987).
Para as crianças, a primeira rede de apoio social é a família. Ptacek (1996) indica
que, entre os fatores determinantes da percepção de apoio social, a relação de apego com o cuidador primário é o componente mais crítico do desenvolvimento.
Ao longo do desenvolvimento, o mundo social da criança começa a expandir-se, a fim de incluir membros não pertencentes à família, como amigos...
tracking img