Mar aral

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1521 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Mar de Aral
Em 1960, o mar de Aral era considerado o quarto maior mar interno do mundo, hoje, com apenas 10% da sua área original, é a representação de uma tragédia ambiental. Localizado entre o Uzbequistão e o Cazaquistão, na Ásia Central, este peculiar mar interno, que na realidade era um grande lago de água salgada ocupava uma área de cerca de 68 mil quilômetros quadrados, quase três vezesmaior que o estado de Sergipe. Naquela época, o mar era alimentado por rios que mantinham baixa a concentração de minerais na água, permitindo a existência de um ecossistema aquático, que garantia o sustento de mais de 60 mil pescadores.
Cinquenta anos depois, o mar se transformou em uma porção de água poluída e ultra salgada, que recobre uma área equivalente a 10% da original. Em alguns pontos, olitoral chegou a recuar mais de 100 quilômetros, tornando o que antes era água, em um grande areal.
Quem são os culpados?
A culpa desse desastre ambiental é 100% humana. O mar começou a secar após o desvio dos rios Amu e Syr para irrigar lavouras da União Soviética (URSS), nos anos 1960. Apenas 15 anos após o desvio, o nível de água já havia caído tanto que o mar se dividira em dois. Como nãoera mais irrigado por rios, ele também se tornou supersaturado e, pior, a água que resta acabou ficando extremamente poluída pelos agrotóxicos que escorriam das lavouras.
Que mudanças ocorreram após esse desastre ambiental?
Essas mudanças destruíram o ecossistema do Aral. Das 32 espécies de peixes que viviam ali, restaram apenas seis, e das 319 espécies de aves que habitavam suas margens, cercade 160 ainda resistem no local.


A imagem mostra barcos abandonados no Mar Aral depois do desaparecimento de grande parte dele.

Historia
A presença militar russa no Mar de Aral começou em 1847, com a fundação da Raimsk, que logo foi rebatizado Aralsk, perto da foz do Syr Darya. Logo, a Marinha Imperial Russa começou a implantar os seus navios no mar. Devido à bacia do Mar Aral não estarligada a outros corpos de água, os navios tiveram que ser desmontados em Orenburg, no rio Ural, enviados por via terrestre para Aralsk (presumivelmente por uma caravana de camelos), e então remontados. Os dois primeiros navios, montados em 1847, eram as escunas de dois mastros chamado Nikolai e Mikhail. O primeiro foi um navio de guerra, enquanto o último um mercante que servia para oestabelecimento da pesca no lago grande. Em 1848, estes dois navios pesquisaram a parte norte do mar. No mesmo ano, um grande navio de guerra, Constantino, foi também montado. Comandado pelo tenente Alexey Butakov, o Constantino concluiu o levantamento de todo o Mar de Aral em dois anos. O exilado poeta e pintor ucraniano Taras Shevchenko participou da expedição, e pintou uma série de esboços da costa do Marde Aral.
Para a navegação, em 1851, dois navios recém-construídos chegaram da Suécia, novamente através de caravanas até Orenburg. Como os levantamentos geológicos não tinham encontrado nenhum depósito de carvão na região, o Governador Militar, General de Orenburg Vasily Perovsky ordenou "tão grande quanto possível o fornecimento" de Haloxylon (um arbusto do deserto, parecido com o arbusto decreosoto), a ser recolhida em Aralsk para uso pelos novos vapores. Infelizmente, a madeira do Haloxylon não resultou num combustível muito apropriado, e nos últimos anos a frota de Aral foi provisionada, a um custo substancial, pelo carvão da bacia Donets

O encolhimento
O governo soviético começou a desviar parte das águas dos rios que alimentavam o Mar de Aral, o Amu Darya (ao sul) e o Syr Darya(no nordeste) em 1918. Com o fim da I Guerra Mundial havia a necessidade de aumentar a produção de alimentos, tais como arroz, cereais e melões. Havia também planos de se produzir algodão no deserto próximo ao lago; o algodão sempre valorizado era chamado “ouro branco”.
Nos anos 40 acelerou-se a construção dos canais de irrigação que captavam água dos afluentes do Mar de Aral. O conhecimento...
tracking img