Manejo de nematoide

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 33 (8031 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
MANEJO INTEGRADO DE NEMATÓIDES EM SISTEMA DE PLANTIO DIRETO NO CERRADO
Roberto G. Torres(1), Neucimara R. Ribeiro(2), Carlos Adriano Boer(3), Odnei Fernandes(4), André G. Figueiredo(5), Antonio Ferreira Neto(6), Edson Corbo(7) Introdução Em países com clima tropical e subtropical os nematóides encontram condições como umidade e temperaturas ideais para reprodução e alimentação. Tais fatores sãoagravantes no controle destes patógenos, os quais após terem se estabelecido em uma área, são de erradicação muito difícil. No Brasil, as espécies que causam os maiores danos às grandes culturas como soja, algodão, cana-de-açúcar e milho são Meloidogyne javanica, Meloidogyne incognita, Heterodera glycines, Pratylenchus brachyurus e Rotylenchulus reniformis. Obrigatoriamente, o controle denematóides em culturas extensivas, que possibilitem a redução populacional para tornar viável o cultivo de determinadas culturas, deve ser planejado e sistematizado de modo a integrar vários métodos e apresentar baixo custo. De um modo geral, são considerados os princípios fitopatológicos da: - Exclusão (evitar a infestação de áreas indenes por espécies ou novas raças, na propriedade ou numa regiãogeográfica maior, ou seja, evitar a introdução e a disseminação); - Erradicação (rotação de culturas com espécies de verão e de inverno não hospedeiras e/ou antagonistas, objetivando a redução da densidade populacional do nematóide); - Regulação (modificação do ambiente e nutrição das plantas); - Imunização (utilização de cultivares resistentes a determinadas espécies ou raças). Métodos culturais, aexemplo da rotação de culturas com espécies não hospedeiras e/ou antagonistas, têm sido efetivos como prática de manejo de nematóides (Santos e Ruano, 1987; Costa e Ferraz, 1990). Alguns trabalhos também mostram que o cultivo de plantas não hospedeiras apenas na entressafra (maio a agosto) não apresentou ser uma boa opção para redução da população de nematóides e que apenas a semeadura de cultivaresresistentes não deve ser a única opção de controle de nematóides. Logo, a rotação de culturas não deve ser substituída pela sucessão de culturas e tampouco deve-se trabalhar também com a rotação de culturas de cobertura (Fotos 1,2,3 e 4) em sistema de plantio direto (SPD = Sistema em Equilíbrio = M.O elevada + inimigos naturais). Com isso, o controle de nematóides não se dá apenas por meio de umaúnica ação, mas através de um conjunto de boas práticas agronômicas que irá manter as populações dos nematóides abaixo do limiar de dano econômico, elevando a produtividade da cultura sem oferecer riscos ao meio ambiente, promovendo no campo uma relação de convivência com estes patógenos. Já que sua eliminação em áreas infestadas é muito difícil e existem as particularidades de cada gênero denematóides a serem respeitadas e tratadas diferencialmente para o seu manejo, deve-se conhecer melhor sua ocorrência, biologia, formas de dispersão, sobrevivência, hospedeiros e forma de manejo de cada uma delas e assim melhorar essa relação de convivência.

- Alternativas de culturas de coberturas para o cerrado brasileiro.

Foto 1: B. ruziziensis

Foto 2: Mulch de B. ruziziensis

Foto 3:Crotalária spectabilis

Foto 4: Cober Crop (Híbrido de sorgo)

1) Nematóide de Cisto da Soja (Heterodera glycines)
eclosão e saída dos juvenis J2 infestando o hospedeiro J2 iniciando a alimentação J2

J2 livres para futuras infestações

Ciclo Biológico: Heterodera
formação dos juvenis (J1) na fêmea morta Adultos começando a produzir ovos abandonando a raiz

J3

J4

fêmea morta cheia deovos

Fêmea alimentando-se na raiz e realizando postura

abandonando a cutícula do estágio anterior J4
Desenho: Patrícia Milano

\ Cistos de H. glycines Ovos de H. glycines

1.1- CARACTERÍSTICAS BIOLÓGICAS do nematóide H. glycines. 1. Ovo: Depositado pela fêmea no estado unicelular. Desenvolvimento embrionário (J1) 2. J1: Sofre primeira ecdise no interior do ovo (J2) 3. J2: Eclode...
tracking img