Livro vozes roubadas - ed blanco na guerra do vietnã

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (319 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
O livro Vozes Roubadas trata-se de diários de crianças e jovens, que presenciaram as cenas de guerra e registraram em papeis. Zlata Filipovic e Melanie Challenger resgataram catorze diaros deconflitos, todos escritos por crianças ou jovens, da Primeira Guerra Mundial á mais recente invasão no Iraque. Ele registra acontecimentos de maneira menos enviesada possível, pois ainda não carrega opeso da realidade dos fatos. As vozes destas crianças nos mostram o horror da guerra e como ela destrói a inocência da infância. Pessoas em desespero, onde seu único refúgio era escrever para nãoenlouquecerem.O que alguns jovens passaram durante essa Guerra é grave e inaceitável,alguns até eram forçados á lutar a mão armada,morrendo nos fronts.

A história de Vozes roubadas começou com oconvite de Melanie Challenger a Zlata Filipovic para organizarem um livro que reunisse uma série de relatos de guerra, testemunhos de crianças e jovens sobre os horrores e as atrocidades de um tempo semhorizontes. Estabelecido o pacto, as duas organizadoras selecionaram os diários.
  
   Contudo só quem estava lá poderia nos dizer o que é realmente passar por uma Guerra sem poder sair de casa epassar fome e acima de tudo ter uma construção psicológica adequada para o acontecimento.Você se torna uma pessoa mais velha,bem mais velha e assustada durante o período de guerra.

As vozes dessascrianças foram roubadas frente á uma guerra no qual muitas foram mortas.Algumas dessas vítimas nunca sequer imaginaram que tal poderia acontecer com elas,aliás como diz em uma das cartas “Eu pensavaque as guerras aconteciam ás outras pessoas”.(Zlata)

Alemanha, Rússia, Inglaterra, Nova Zelândia, Cingapura, Estados Unidos, Polônia, Lituânia, Bósnia-Herzegovina, Israel, Palestina foram os paísesque participaram da guerra.

“Logo concluirei meu diário de guerra. Será o último diário de guerra que escreverei na vida, pois jamais pode haver outra guerra,jamais...”(Piete Kuhr, Alemanha,...
tracking img