Levantamento de riscos de acidentes de trabalho em uma obra viária

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3076 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
LEVANTAMENTO DE RISCOS DE ACIDENTES DO TRABALHO E
EXPOSIÇÃO DOS TRABALHADORES AO RUÍDO EM UMA OBRA
VIÁRIA
Ed Neves da Silva, mestrando
Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção –LOPP/UFRGS
Praça Argentina, 9 – Sala LOPP – Centro – Porto Alegre – RS – Brasil
Telefone: 51 316 3948
e- mail: edneves@ppgep.ufrgs.br

Tarcísio Abreu Saurin, doutorando
Programa de Pós-Graduação emEngenharia de Produção –LOPP/UFRGS
Praça Argentina, 9 – Sala LOPP – Centro – Porto Alegre – RS – Brasil
Telefone: 51 316 3948
e- mail: saurin@vortex.ufrgs.br

This paper presents a case study in a roadway construction site, in which the aims
were to identify risks of work accidents and worker´s exposition to noise. The data
collection tools were direct observations and interviews with workers.The results
indicated that the site had less risks than the amount traditionally found in building
construction. Besides, they indicate that the level of noise in the workplace is higher
than the one required by safety regulations.
Key words: construction, safety, noise

1 Introdução
Apesar dos esforços que vêm sendo feitos no Brasil, a partir de campanhas de prevenção de
acidentes, daação fiscalizadora dos órgãos governamentais, de comissões de estudo tripartites
(representantes do Governo, empregados e empregadores) e de estudos acadêmicos, a incidência
de acidentes do trabalho e doenças profissionais continua elevada (INSS, 1998).
Atualmente, baseado na única estatística nacional por classes de atividades econômicas dos
últimos 15 anos (BRASIL, 1996), a construção éconsiderada como a quarta maior geradora de
acidentes fatais, em termos de freqüência, e a segunda em termos de coeficiente (número de
acidentes por 100 mil trabalhadores).
Na indústria da construção não há dados disponíveis acerca da contribuição de cada subsetor
(edificações, construção pesada, montagem industrial) nos índices totais de acidentes. Os poucos
estudos científicos normalmente enfatizamo subsetor edificações, de modo que o conhecimento
a respeito dos riscos dos demais subsetores ainda não foi sistematizado. Deste modo, o presente
trabalho tem um caráter exploratório, contribuindo para o preenchimento desta lacuna.
2 Efeitos do ruído no sistema auditivo
Durante nossa vida, dia e noite, em casa ou no trabalho, a exposição excessiva a ruídos nos
importuna, produz estresse,interfere no trabalho e atividades de lazer e altera nossa habilidade
de comunicação (WEIERBACHER, 1998). Quando esta exposição é muito intensa, produz
alterações permanentes no sistema auditivo, o que provoca perdas auditivas importantes. Pessoas
expostas a ruídos apresentam perda auditiva neuro-sensorial que iniciam nas freqüências agudas
(4000 Hertz). O efeito é acompanhado pela sensação depercepção do ruído após o afastamento
do campo ruidoso (zumbidos). Este efeito é temporário, portanto, o nível original do limiar de
audição é recuperado.

Esta é a chamada Mudança Temporária do Limiar de Audição (MTLA). Se a exposição ao ruído
é repetida antes da completa recuperação, a perda temporária da audição pode tornar-se
permanente, não somente na faixa de freqüências de 4000 a6000Hz, mas também abaixo e
acima desta faixa.
A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR) é uma patologia cumulativa e insidiosa, que cresce
ao longo de anos de exposição, associada comumente ao ambiente de trabalho. É causada por
qualquer exposição que exerça uma média de 90 dB(A), oito horas por dia, regularmente, por um
período de vários anos. A perda de audição por exposição a níveis acima de80 dB(A) depende
da distribuição dos níveis com o tempo de exposição e da susceptibilidade do indivíduo
(PIZZUTTI, 1998).
A figura 1 mostra a relação dos critérios para perda de audição. Um nível de 85 dB(A) na faixa
de 3000Hz para oito horas de exposição por dia poder ser considerado como limite para perda de
audição.

Figura 1 – Curvas de exposições máximas permitidas (em minutos) a...
tracking img