Lab mec solos teor de umidade relatorio

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1600 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ
CENTRO DE TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL




DISCIPLINA:
LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS SOLOS – 2570
TURMA: 002



RELATÓRIO NO 01

Título da aula prática:
Determinação do Teor de Umidade




Acadêmicos:
|Eduardo Vicente Wolf Trentini |RA: 52793 |Turma: 002|
|Willian Wagner de Freitas Santos |RA: 51058 |Turma: 002 |
|Guilherme Nanni Grabowski |RA: 53109 |Turma: 002 |



MARINGÁ, 23 de Março de 2010
Título da aula prática:
Determinação do Teor de Umidade

1OBJETIVO(S)

Determinar experimentalmente o teor de umidade de uma amostra de solo em laboratório.

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Apresente sucintamente uma fundamentação teórica sobre o assunto abordado na aula prática (máximo 1 página) procurando definir a propriedade determinada e as finalidades para a determinação da mesma.
O relatório poderá ser elaborado em qualquer editor de textodisponível, desde que o texto seja digitado em fonte Times New Roman tamanho 12, com espaçamento 1,5 entre linhas, alinhamento justificado e parágrafos com recuo de 1,25 cm.
Os textos devem ser apresentados em papel branco, formato A4 (21 cm x 29,7 cm) com margens esquerda e superior de 3cm e direita e inferior de 2cm.
A numeração deve ser colocada a partir da primeira folha da parte textual(Objetivos), em algarismos arábicos, no canto superior direita da folha, a 2 cm da borda superior, ficando o último algarismo a 2 cm da borda direita da folha.


3 MATERIAIS E MÉTODOS

1. MATERIAL – O solo

Foi utilizada uma amostra de solo deformada, que foi retirada da parte de traz do MUDI.


2. EQUIPAMENTOS UTILIZADOS


1. Método da Estufa.


• Capsulas numeradas• Pinsa
• Estufa
• Dessecador
• Balança Semi-Analítica
• Amostra de Solo

2. Método “Speedy”


• Capsulas numeradas
• Ampolas de Carbureto de Cálcio
• Esferas de Aço
• Aparelho Speedy
• Balança
• Amostra de Solo


3. Método do Fogareiro


• Capsulas numeradas
• Espátula
• Tela de Amianto
• Luva
•Dessecador
• Placa de vidro
• Fogareiro
• Balança Semi-Analítica
• Amostra de Solo






3. MÉTODOS DE ENSAIO

3.3.1 Método da Estufa

Primeiramente separa-se uma amostra do solo a ser analisado e mexe-se de forma a deixá-la homogênea, para que uma parte não fique com umidade diferente das outras.
São separados três recipientes de mesmas dimensões eseus números de marcação são anotados. As massas desses recipientes são então aferidas com auxilio de uma balança semi-analítica e anotadas.
Coloca-se uma quantidade predeterminada desse solo dentro de cada um dos três recipientes, são novamente aferidos os pesos e anotados.
Levam-se os recipientes para uma estufa com temperatura entre 105 a 110°C, onde permanecem durante24 horas. As amostras são retiradas com o auxilio de um pegador e levadas para um ambiente hermeticamente fechado, contendo sílica em gel, para que possa resfriar sem absorver a umidade do ar (dessecador). Novamente são levadas à balança para serem aferidos as massas das amostras secas. Os novos valores são anotados e comparados aos valores obtidos anteriormente.

3.3.2 Método Expedito “Speedy”Inicialmente, separa-se uma quantidade de amostra relativa à umidade estimada segundo a norma DNER-ME 52-64, neste caso, utilizou-se uma quantidade de 5 gramas de amostra.
Afere-se a massa da amostra, na câmara do aparelho “Speedy” são colocadas duas esferas de aço e então a amostra. Introduz-se então, a ampola de carbureto de cálcio (CaC2), com cuidado para que...
tracking img