Juridiques

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1926 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Universidade Anhanguera


CURSO SUPERIOR DE DIREITO


APARECIDA L.S








JURIDIQUES: CONCEITO E USO NA LINGUAGEM















Roondonopolis
2012






APARECIDA L.S









JURIDIQUES: CONCEITO E USO NA LINGUAGEM










Trabalho apresentado ao Curso Superior de Direito para a disciplina de Linguagem Jurídica e Argumentação.Prof. ME: Sandra Regina Franciscatto Bertoldo









Rondonópolis
2012
1 JURIDIQUES


1.1 CONCEITO

Segundo a Wikipédia o termo JURIDIQUES significa um neologismo em voga no Brasil para designar o uso desnecessário e excessivo do jargão jurídico e de termos técnicos de Direito. Embora tenha conotação pejorativa, a ideia de juridiquês como jargão profissional tem ganhadocada vez mais espaço na sociedade letrada por causa de sua crescente utilização na imprensa e nos meios de comunicação de massa.
No jornalismo jurídico, por exemplo, costuma-se dizer que repórteres e redatores que reproduzem em suas matérias os termos rebuscados utilizados pelos entrevistados (como juízes e advogados) são "contaminados pelo juridiquês" (assim como, no jornalismo econômico, o sãopelo "economês").
É a utilização de palavras e termos jurídicos que por muitas vezes dificultam o entendimento e compreensão de muitos leigos. Fato que por muitas vezes quando realiza-se consultas com advogados por certas vezes saímos sem entender uma palavra sequer, pois o uso destes termos rebuscados e profissionais são completamente estranhos e nunca utilizados por leigos que não pertencemao segmento jurídico.
Frases em juridiquês podem ser de difícil compreensão e entendimento, até mesmo para juristas. É comum encontrar textos em juridiquês onde uma única frase se estende por um parágrafo inteiro, com dezenas de vírgulas e verbos no gerúndio, condicionais, apostos e outros. Nestes casos, quando o leitor chega ao meio do parágrafo-frase, a frase já deu tantas reviravoltasgramaticais e já agrupou tantas idéias que não é mais possível acompanhar o raciocínio sem voltar ao começo do parágrafo-frase e tentar novamente.
Quando o juridiquês é traduzido para outros idiomas menos tolerantes de frases infindáveis, o tradutor costuma quebrar estes parágrafos originais e inteligíveis em várias frases mais coerentes.
O juridiques está pressente nas literaturas de direito, naconstrução de petições, mandados, citações, onde por muitas vezes só consegue ser esclarecido e entendido por juristas e magistrados.
Há que se acrescentar que juridiquês não é só o uso de arcaísmos, palavras rebuscadas, neologismos, latinismos e o uso inadequado da língua portuguesa, mas também contribui para a existência do juridiquês a produção textual truncada, extensa.
Em nome do rigor e doformalismo jurídico, a produção textual jurídica passa muito longe dos princípios básicos que regem a boa escrita. Aliás, os textos jurídicos parecem não só ter parado no tempo, mas ter regredido, pois, além de os textos serem extensos, são difíceis de serem compreendidos.
É comum ver textos permeados de citações, sem qualquer relação textual. Esclarecendo melhor, os textos processuais trazem umaespécie de “colagem” de diversas citações, não há, em geral, qualquer comentário acerca do que foi citado, o texto trazido é como se fosse uma espécie de apêndice, pois a citação está ali para “enfeitar” o texto.
Este é um dos grandes problemas do texto jurídico – a falta de objetividade. Há um equívoco disseminado no meio jurídico de que é preciso falar muito, citar muito para se ter um bom texto.Isso transgride as normas de conduta de um bom texto, primeiro porque não pelo muito falar que um texto será bom – a qualidade de um texto está no desenvolvimento de habilidades textuais –; segundo porque o fato de citar não garante cientificidade, nem qualidade textual.
Tem-se a ideia que o uso do juridiques nas construções textuais remete a ideia de falar e falar e não dizer nada, ao...
tracking img