Jesuitas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 16 (3879 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
.OS JESUITAS E AS “REDUÇÕES”
Desde a sua criação por Inácio de Loyola (1491-1556), a Companhia de Jesus
esteve ligada aos reis de Portugal e Espanha, atendendo aos interesses evangelizadores
da Igreja, mas também da expansão dos Reinos. Os capitães e governadores enviados
com poderosas esquadras para as novas terras com a intenção de expandir seus
domínios, traziam consigo também ospadres jesuítas, chamados de “soldados de
Cristo”, pela sua própria formação e pelo objetivo de seu trabalho religioso e político. A
finalidade religiosa era propagar, instalar e divulgar o cristianismo e, através da
catequização – a preservação da fé católica – dar assistência religiosa aos colonos e,
através deles, a implementação da conquista territorial.
Devido ao Tratado deTordesilhas, de 1492, embora sob a mesma Coroa, com a
unificação verificada após o desaparecimento do jovem rei dom Sebastião na guerra de
Alcácer Quibir, no Marrocos, em 1578, as estratégias missionárias dos jesuítas no Brasil
e no Paraguai tiveram aspectos diferentes. No Brasil o sistema adotado para a conquista
foi a instalação de aldeias, enquanto que no Paraguai foi o de reduções. Naquelashavia
liberdade do contato dos índios com os colonos; nestas havia restrições em todos os
sentidos, o que chegava a caracterizar o próprio tolhimento da liberdade.
Nos primeiros tempos (a partir de 1585) a missão realizava-se por meio de
visitas esporádicas aos grupos localizados nas matas. Essas visitas eram espaçadas e
demoravam até quinze dias ou mais, umas das outras, e os padres nãopermaneciam
muito tempo entre os grupos. Devido ao segundo contato ser sempre demorado, quando
aconteciam os índios já não detinham as orientações anteriores.
Os primeiros exploradores espanhóis já verificaram que o território
compreendido pela região conhecida como Paraguai não oferecia riquezas minerais
como se tinha notícias do México e do Peru, e até mesmo as populações tinhamcaracterísticas culturais diferentes das enfrentadas naquelas regiões mais ao Norte. As
populações daqui viviam “em regime tribal, semi-sedentárias (Guarani) e algumas
extremamente belicosas (Guaicuru), que colocavam em perigo permanente os
estabelecimentos espanhóis na região”...”A resistência desses indígenas, aliada à sua
grande belicosidade, dificultou a ação missioneira e a própriadominação espanhola
nessas regiões” (FRANZEN, 1999; p. 209).
Tal era a dificuldade dos missionários em se aproximar e ganhar a confiança dos
índios. Estes “fugiam” dos aldeamentos, onde eram reunidos com objetivos de
catequização pelos missionários, porque a liberdade era de sua própria natureza, mas
também fugiam da dominação pela força. No caso espanhol as tentativas de dominação
“militarfaziam com que eles buscassem abrigo nas florestas, onde os europeus não
tinham condições de penetrar. Mesmo a “conquista espiritual” não chegou a obter
maiores êxitos entre esses grupos do Paraguai” (FRANZEN, 1999; p. 210).
Somente à custa de um persistente trabalho de aproximação os missionários
conseguiram fazer os contatos e reunir os índios nas reduções. Para mantê-los reunidos,
osmissionários tinham que providenciar os víveres e para isto iniciaram um trabalho decultivo da terra, tentando passar os seus conhecimentos e essa cultura européia. Os
índios eram em sua maioria nômades, viviam da caça e movimentavam seus
acampamentos com freqüência. Eles se negavam a trabalhar a terra, de se submeter à
organização do trabalho, já que o cultivo dos gêneros alimentícios não faziaparte de
seus costumes (era atribuído às mulheres).
Os primitivos habitantes e os “invasores”europeus viviam constantes confrontos.
O rei Felipe III sensibilizou-se pela derrota imposta pelos índios Guarani ao
governador Hernandarias (Hernán Arias de Saavedra) e seus soldados, em 1603, e em
carta de 5 de julho de 1608 confirmou o plano de conquista pacífica, através dos
jesuítas,...
tracking img