Indicador quantitativo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2582 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
MÉTODOS QUALITATIVOS NA ANÁLISE DE RISCO DE CRÉDITO - CONFIANÇA E CREDIBILIDADE NA RELAÇÃO ENTRE BANCOS E EMPRESAS

Carlos Arriaga Costa Universidade do Minho Escola de Economia e Gestão Campus de Gualtar 4710-583 Braga Portugal e-correio: caac@eeg.uminho.pt

Resumo A relação entre bancos e empresas assume uma importância relevante em economia bancária. Podemse observar três estruturasprincipais nesta relação: relação de mercado, relação hierárquica e relação da quasi- integração. Os bancos avaliam o risco e a qualidade do crédito através de indicadores quantitativos e qualitativos. Os indicadores quantitativos são os mais utilizados pelos bancos mas os indicadores qualitativos começam a ganhar i portância na avaliação do risco de crédito. Nesta m comunicação analisamos osindicadores quantitativos e qualitativos mais utilizados no sistema bancário português. Não obstante a reputação de uma empresa ser um indicador qualitativo muito importante, os bancos não consideram suficiente este indicador para atribuir à empresa uma classificação de risco baixo. Entretanto, existe uma associação entre risco e reputação.

Palavras chave: risco de crédito; reputação; credibilidade;análise qualitativa do risco

3

1.

Introdução

A relação entre bancos e empresas ocupa um lugar importante na literatura económica e financeira. Esta relação insere-se na actividade de intermediação dos bancos. As teorias mais recentes da intermediação desenvolvem esta relação num ambiente de informação assimétrica. Os bancos incluem nos contratos incentivos de modo a enfrentarem problemasde risco moral (Allegret e Baudry, 1996). De acordo com Stiglitz (1985), os princípios da teoria de intermediação

fundamentam-se na incapacidade dos intermediários financeiros obterem a informação necessária num clima de incerteza e na incapacidade dos bancos controlarem, com eficácia, os mutuários. Gorton e Kahn (1993) demonstram o interesse do intermediário financeiro em tomar procedimentoscredíveis quanto ao conjunto de incentivos a considerar no contrato. Atitudes de credibilidade parecem ser mais importantes para os bancos do que para o mercado financeiro. Ainda de acordo com Allegret e Baudry, podem-se observar três estruturas na relação entre os bancos e as empresas: (1) uma relação de mercado (2) uma relação hierárquica e (3) uma relação da quasi- integração. A relação demercado (1) é caracterizada por uma maior flexibilidade na relação e por uma ausência de controle do banco na qualidade da informação fornecida pela empresa. Num contexto de mercado, a fidelidade da relação entre os bancos e empresas não parece ser muito importante. O banco diversifica a sua carteira de clientes e a empresa diversifica as suas fontes de financiamento. Neste caso, a empresa sentirá maiordificuldade em iniciar a sua actividade com investimentos que apresentam um determinado grau de risco. As penalizações por crédito mal parado são requeridas pelo próprio mercado. Torna-se fundamental que o banco estabeleça testes estatísticos sobre o comportamento passado das empresas que lhe permitirá justificar uma eventual restrição do crédito em caso de necessidade. Do lado oposto,apresenta-se a estrutura hierárquica (2) onde o banco tem capacidade de proceder a auditorias sobre a empresa. A estrutura do financiamento é marcada pela dependência da empresa ao banco no que concerne aos empréstimos a efectuar. Diversificando os serviços oferecidos, o banco pode seguir de perto a actividade da empresa. Os intermediários financeiros ocupam a parte central do sistema. Uma empresa mantem4

um relacionamento privilegiado de longo prazo com um banco (princípio de autoridade). Na troca desta relação privilegiada, o banco obtem o direito de interferência na gerência da empresa. Os bancos, neste caso, tomam em mãos a gestão de sectores importantes das empresas que controlam e podem supervisionar e recolher a informação sobre a empresa, quer como emprestadores quer como...
tracking img