Fundamentos da economia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1243 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Capítulo 12


O Setor Externo

Fundamentos do comércio internacional: a teoria das vantagens comparativas

O que leva os países a comercializar entre si? Muitas explicações podem ser levantadas, como a diversidade de condições de produção, ou a possibilidade de redução de custo na produção de determinado bem vendido para um mercado global. Os economistasclássicos forneceram a explicação teórica básica para o comércio internacional com o chamado princípio das vantagens comparativas.
Esse princípio sugere que cada país deva se especializar na produção da mercadoria em que é relativamente mais eficiente.
Desse modo explica-se a especialização dos países na produção de bens diferentes, a partir da qual concretiza-se o processo de trocaentre eles. A teoria das vantagens comparativas foi formulada por David Ricardo em 1817. Essa teoria fornece uma explicação para os movimentos de mercadoria no comércio internacional, a partir da oferta ou de custos de produção existentes nesses países.
Uma limitação dessa teoria é que ela é relativamente estática, não levando em consideração a evolução das estruturas da oferta e da demanda,bem como das relações de preços entre produtos negociados no mercado internacional.

Determinação da taxa de câmbio

Conceito

A taxa de câmbio é a medida de conversão da moeda nacional em moeda de outros países.
A taxa de câmbio está intimamente relacionada com os preços dos produtos exportados e importados, já que quando dois países mantêm relações econômicas entre si, entramnecessariamente em jogo duas moedas, exigindo que se fixe a relação de troca entre ambas. Uma taxa de câmbio elevada significa que o preço da divisa estrangeira está alto, ou que a moeda nacional está desvalorizada.
A moeda nacional é desvalorizada, e o dólar por exemplo é valorizado, por sua vez valorização cambial significa moeda nacional mais forte, isto é, pagam-se menos reais por dólares, etem-se, em conseqüência, uma queda na taxa de câmbio, nesse caso a moeda nacional foi valorizada, e o dólar desvalorizado.



Taxas de câmbio e inflação

Valorização Cambial e Inflação

Com a valorização cambial, a moeda nacional fica mais forte relativamente ás moedas estrangeiras, a valorização cambial permite “ancorar” os preços internos e reduzir a taxa de inflação.
A partirde 1994, no Plano Real, a valorização cambial foi um instrumento bem-sucedido no sentido de controlar a inflação, que vinha apresentando dois dígitos mensais.

Desvalorização Cambial e Inflação

A desvalorização cambial significa que o preço da divisa estrangeira está alto, ou que a moeda nacional está desvalorizada, os produtos importados ficam mais caros, em termos de reais.Evidentemente, diminuirão as importações de muitos produtos, mais os produtos essenciais tais como: petróleo e trigo, que o Brasil importa muito, terão seu preço aumentado (em reais não em dólar), provocando aumento dos custos de produção, que serão repassados aos preços dos produtos finais, gerando inflação.

Efeito da Elevação da Inflação Interna sobre a Taxa de Câmbio

O aumento da inflaçãointerna em relação á externa, encarece os produtos nacionais relativamente aos estrangeiros, piorando o saldo comercial do país com o resto do mundo. Para recuperar as exportações e inibir as importações o governo desvaloriza o câmbio nominal.

Valorização Real e Valorização Nominal do Câmbio

A valorização real é igual á valorização nominal, menos a taxa de inflação do período. Assim, se a taxa decâmbio variar 20% ao mês, mas a inflação alcançar também 20% teremos apenas uma desvalorização nominal, e não a desvalorização real.
Só ocorrerá desvalorização real se a desvalorização nominal superar a taxa de inflação.


Políticas externas

A atuação do governo na área externa pode ocorrer por meio de duas políticas :

A política cambial: que a respeito a alterações na taxa de...
tracking img