Fichamento psicologia e desenvolvimento

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1281 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Jonas Lima da Silva Filho
Universidade Federal do Ceará – Faculdade de Educação
Curso de Pedagogia
Psicologia da Educação
Profª: Jackeline Andrade
Biaggio, Ângela M. Brasil
Psicologia do desenvolvimento. 21. Ed. Petrópolis: Vozes,
2009, 3444p. 21cm.

Psicologia e desenvolvimento

“Enquanto que a maior parte das teorias científicas do comportamento se originam da psicologia acadêmica, apsicologia psicanalítica surgiu não do laboratório de universidade, mas da clínica médica. “
“Freud desenvolveu pouco a pouco a técnica conhecida como psicanálise e a teoria do comportamento ou da personalidade conhecida como teoria psicanalítica. O conteúdo ou os dados em que se fundamenta a teoria são as expressões verbais das idéias e sentimentos e as autodescrições feitas pelos pacientes empsicanálise.” (p. 103)
“Instinto: é definido como uma representação psicológica de uma fonte somática, interna de excitação.”
“O modelo de Freud pressupõe que uma excitação surge em uma parte do corpo e a função do comportamento é reduzir a excitação, e esta redução da excitação é experimentada como uma gratificação” (p.104)
“Libido: Embora não seja possível chegar-se a um acordo a respeito dequais são os instintos do ser humano, não há dúvida que Freud deu grande importância ao instinto sexual, tanto que deu à excitação sexual ou energia sexual um nome especial, libido.”
“A função biológica da sexualidade é a reprodução, mas mais frequentemente, tanto na espécie humana como em animais, a motivação para o ato sexual é outra, o prazer do próprio ato, e não a reprodução da espécie.”“Assim, vemos que muito mais do que o ato sexual é necessário para a procriação da espécie e Freud usa o termo sexualidade para englobar todos esses aspectos. Embora o instinto sexual seja o mais importante para a organização da personalidade, Freud reconheceu a existência de outros instintos ou pulsões, como a fome, a sede e o evitar a dor. Fred agrupou esses instintos sob a rótulo de instintos doego que servem autopreservação em contraste com o sexual, que serve à preservação da espécie.”
“Agressão: Freud tratou também da importância da agressão vista por ele inicialmente como relacionada à sexualidade. A agressão é também vista como importante na autopreservação , através da competição e auto-afirmação.”
“Cathexis: É definida por Freud como se fosse uma carga elétrica que energiza umaidéia. A pulsão não tem expressão direta no comportamento, como é o caso de reflexos e instintos em animais, em que há uma ação específica resultante do instinto.” (p. 105)
“O mecanismo interveniente entre a pulsão e o comportamento é a cathexis.”
“O inconsciente para Freud não é simplesmente qualquer coisa de que não estamos conscientes, mas é aquilo que é ativamente reprimido e impedido de setornar consciente ou pré-consciente.”
“A primeira estimativa é o id. O id é o repositório das pulsões”
“A teoria psicanalítica também descreve o id como governado pelo princípio do prazer, isto é, deseja a satisfação imediata das pulsões.” (p.106)
“Ego: a segunda estrutura que se desenvolve na personalidade da criança é o ego. O ego é orientado para a realidade e busca a satisfação dasnecessidades através de meios aceitáveis. O ego controla os instintos adiando, inibindo e restringindo-os no interesse de conseguir seus fins realisticamente.”
“Enquanto que o id é totalmente inconsciente, o ego é parte consciente, parte inconsciente.”
“Já a terceira estrutura da personalidade, o superego, tem objetivos diferentes. Ele representa as restrições culturais sobre a expressão dosinstintos, que foram incorporadas e aceitas pelo indivíduo.” (p.107)
“Repressão: O mecanismo de defesa básico é a repressão. Consiste em o inconsciente tirar-se da consciência idéias, lembranças sentimentos que, se estivessem à tona, causariam muita ansiedade” (p 107-108)
“Negação: É um mecanismo bem primitivo, que consiste em explicitamente negar que um fato ocorreu.”
“[...] a negação não é uma...
tracking img