Escola de chicago

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1169 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE – UNINORTE
FACULDADE BARÃO DO RIO BRANCO – FAB

CRIMINOLOGIA

RIO BRANCO
2012
J B

ESCOLA DE CHICAGO

Trabalho apresentado para avaliação da N2, na disciplina de Criminologia, do Primeiro Período do curso de Direito, turno noturno, da UNINORTE.

RIO BRANCO
2012

Teorias Macrossociológicas da Criminalidade

Considera-se a sociologia norte americana umdos estudos mais avançados da criminologia contemporânea. Passou-se de um enfoque no indivíduo ou em pequenos grupos para o estudo da criminalidade sob um ângulo maior, a nível de toda uma sociedade, abordando fatores que levam a sociedade como um todo a praticar ou não infrações criminais. A partir desse novo método de estudo da criminalidade surgiram as teorias macrossociológicas dacriminalidade.

Podemos dizer que essas teorias criminológicas, em geral, têm como objetivo quatro elementos de estudo: a lei, o criminoso, o alvo e o lugar.

Teorias Consensuais e Conflitivas

Com o passar dos anos as teorias macrossociológicas foram divididas em dois grupos: As teorias do consenso, também chamadas de funcionalistas ou da integração e as teorias do conflito social. Sobre o assuntoexplica Lélio Braga Calhau:

Com o surgimento das teorias sociológicas da criminalidade, houve uma bifurcação muito poderosa dessas pesquisas em dois grupos principais. Essa divisão leva em consideração, principalmente, a forma como os sociológicos encaram a composição da sociedade: consensual ou conflitual. (CALHAU, 2011, p.58)

Segundo as teorias consensuais os indivíduos aceitam as regrasvigentes da sociedade em que vivem, pois há um perfeito funcionamento de suas instituições. Para eles, o Direito tutela seus valores básicos e o Estado aplica a lei de forma neutra, imparcial, visando o bem da coletividade. Em suma, a sociedade é regulada por um consenso comum, um “grande acordo”. Porém, para a teoria do conflito não existe acordo, o que opera é a força e a coerção da classe dominantesobre os dominados. Para os adeptos dessa teoria, o Estado funciona como instrumento utilizado pela classe dominante para mantê-los no poder e para, consequentemente, manter a classe dominada subjugada.

São consideradas teorias de consenso: Escola de Chicago, Teoria da Associação Diferencial, Teoria da Anomia e Teoria da Subcultura Delinquente. E são conflitivas as teorias: Labelling Aproach e aTeoria Crítica.

O presente trabalho tem por objetivo discorrer sobre a Escola de Chicago, teoria consensual.

Escola de Chicago
Um estudo publicado em março deste ano e divulgado no site da editora Abril mostra a Universidade de Chicago como a 14ª Instituição de Ensino e Pesquisa mais respeitada do mundo. É neste ambiente que entre as décadas de 20 e 30 surgiu a primeira tentativade se estudar o crime e suas implicações unindo-se conceitos teóricos e metodologias científicas de pesquisa.
A premissa da Escola de Chicago mostra o crime como fenômeno ligado às áreas naturais. Partindo desse ponto, relaciona a criminologia ao surgimento das favelas, proliferação da violência e aumento populacional.
De acordo com Lélio Braga Cabral (2011), a Escola de Chicagocaracterizou-se pelo empirismo e pelo emprego da observação direta em todas as investigações. A abordagem utilizada declarava que a experiência prática era fundamental, uma vez que a melhor estratégia de pesquisa era aquela em que o pesquisador participava diretamente do objeto de seu estudo. Este paradigma ficou conhecido como observação participante e hoje é empregado nos mais diversos tipos de pesquisa emtodo o mundo.
A escola de Chicago se tornou bastante importante para o estudo da criminologia urbana. As teorias estabelecidas por seus sociólogos [...] influenciaram valiosos estudos urbanos sobre o crime [...]. Sua atuação foi marcada pelo pragmatismo, e, dentre outras inovações que preconizou, destacam-se o método da observação participante e o conceito de ecologia humana. (CALHAU, 2011, p.61)...
tracking img