Ensaio de corte directo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2549 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Ensaio de Corte Directo

Mecânica dos solos II

Discentes:

Docente:
Janeiro 2013

ÍNDICE GERAL

INTRODUÇÃO ……………………………………………………………………3
CAPÍTULO I - OBJETIVOS ………………………………………………………4
CAPÍTULO II – APARELHOS E MATERIAL UTILIZADO…………………….5
CAPÍTULO III – PROCEDIMENTO……………………………………...……….6
CAPÍTULO IV- DADOS ………………………………. ………………………..8
CAPÍTULO V – RESULTADOS ………….………………….…………………. 10
CAPÍTULO VI –TRATAMENTO DE RESULTADOS …...…………. ………...13
CAPÍTULO VII – CONSIDERAÇÕES FINAIS …………………………………17
CAPITULO VIII– ANEXO DE FIGURAS………………………-……………...18
CAPÍTULO IX – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS………………………. 19



INTRODUÇÃO

A resistência ao corte é um dado importante a retirar na análise de um solo, uma vez que, a partir dos dados retirados, do ângulo de atrito e da coesão das partículas conseguimosverificar a estabilidade de taludes, a capacidade de carga que se consegue aplicar num solo até ao seu deslocamento, os impulsos de terras, entre outros.
O ensaio de corte directo permite a determinação da tensão de corte, no entanto, apresenta algumas limitações, tais como, o facto da área da superfície variar durante o efeito; as tensões sobre a superfície do escorregamento não apresentar umadistribuição uniforme; o teor em água de certas amostras sofrer alterações com elevada rapidez, devido à drenagem e tensões instaladas e, por fim, a impossibilidade que existe de medir as pressões intersticiais.
O ensaio para caracterização em laboratório da resistência ao corte dos solos, realizado neste relatório, é o ensaio de corte directo consolidado, não drenado, que consiste na aplicaçãomuito rápida de uma solicitação de corte a um provete saturado, não permitindo o escoamento de água.
Foram realizadas três leituras, das quais se retirarão os dados para tratamento. Os dados auferidos consistem na força de corte e nos seus deslocamentos, horizontais e verticais, retirados da máquina de corte a uma velocidade de 1mm/min.

CAPÍTULO I – OBJECTIVOS

Sempre que iniciamos uma experiêncianuma área tão técnica como a mecânica dos solos devemos ter bem presente qual o nosso objectivos, visto que, ao longo de toda a experiência poderemos recolher dados que serão, posteriormente, importantes para as nossas conclusões e análise da experiência.
Na tentativa de tornar a nossa experiência útil para o nosso desenvolvimento na área da Engenharia Civil, temos como objectivos deste ensaioanalisar e caracterizar a resistência ao corte de um solo. Os dados que iremos determinar a parte da nossa prática são o ângulo de resistência ao corte (ou de atrito) e a coesão.

CAPÍTULO II – APARELHOS E MATERIAL UTILIZADO

A realização da referida prática decorreu num laboratório da Escola Superior de Tecnologia de Gestão, equipado para esse mesmo fim. As máquinas utilizadas foram uma máquina decorte, um conjunto de pesos (de dois, quatro e oito quilos) e uma caixa de corte.

CAPÍTULO III – PROCEDIMENTO

Iniciamos a nossa experiência com uma amostra de areia fina de praia, em quantidade suficiente para fazer três ensaios nas mesmas condições.
No ensaio de corte directo, a amostra de solo com secção quadrangular de 6,0cm é introduzida numa caixa dividida horizontalmente em duasmetades. Uma força normal é aplicada à base superior da amostra, por meio de um sistema de pesos e alavancas, e mantida constante , neste caso de 0,20 KN, 0,39 KN e de 0,78 KN.
Impõe-se uma translação horizontal com velocidade constante à metade inferior da caixa de corte, enquanto a superior é mantida fixa à custa de uma reacção cujo valor é medido em cada instante por meio de um anel dinamométrico.Antes do movimento se iniciar garante-se um pequeno afastamento, na vertical, entre as duas metades da caixa de modo a evitar que se mobilizem forças de atrito entre as duas peças.
A tensão tangencial é obtida da divisão da força aplicada pelo sistema de pesos e alavancas pela secção da amostra.
Para além das deformações tangenciais ou verticais ainda são registadas deformações normais ao plano de...
tracking img