Engenheiro

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 16 (3927 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
14. SOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CANTEIRO DE OBRAS

14.1 Riscos
Os procedimentos descritos nesta seção podem ser arriscados, portanto somente profissionais qualificados e com experiência mínima de 5 (cinco) anos em instalação e reparo de sistemas pós-tracionados não aderentes devem tentar estes procedimentos. Notifique a construtora ou o seu designado cuja assistência deve ser requerida.14.2 Prevenção dos Problemas Mais Freqüentes
Antes do lançamento do concreto, faça uma checagem da montagem do sistema de pós-tração verificando os seguintes itens:
1. Tenha certeza de que a área compreendida desde a parte de trás das placas de ancoragem até 50 cm para dentro, com um ângulo de abertura de 45º de cada lado da placa, esteja isento de luvas inadequadas, “blockouts”, grandes conduítes ou qualquer outro vazio que possa permitir que o concreto se esmague nesta zona de alta tensão.



Figura 14-1 Passagens próximas da zona de ancoragem do cabo


| |
|Precaução|
| |
|Freqüentemente os eletricistas, encanadores e empreiteiros de estruturas metálicas fazem suas montagens antes da concretagem, porém depois da |
|inspeção da pós-tração.Previna-se contra a possibilidade de eles colocarem seus dutos e passagens na zona perigosa através de instrução, |
|treinamento, verificação posterior, etc. |

2. Verificando as zonas de ancoragem, tenha certeza de que todas as cordoalhas têm ponta suficientemente para fora da fôrma deborda. É melhor mover o cabo alguns centímetros além da borda da fôrma antes da colocação do concreto do que ter de usar luvas e equipamentos especiais para protender um cabo curto mais tarde.


3. Para sistemas encapsulados, a bainha deve ser conectada à placa de ancoragem de acordo com as recomendações do fabricante para assegurar que não haverá cordoalha exposta, desde que as conexõessejam impermeáveis. Entretanto, em ambientes normais, desde que não exista qualquer conexão especial entre a placa de ancoragem e a bainha, tome cuidado para diminuir ao máximo o comprimento de cordoalha engraxada sem bainha atrás da placa de ancoragem.
O comprimento máximo de cordoalha engraxada sem bainha é de 25 mm.
Se o concreto se moldar à parte da cordoalha sem a bainha plástica,poderá impedi-la de se movimentar a ponto de torcê-la quando protendida. O enrolamento helicoidal da cordoalha fará com que o macaco de protensão gire rapidamente no ciclo final de protensão podendo ferir o profissional que estiver operando o equipamento ou estourar as mangueiras do macaco. O movimento giratório da cordoalha poderá causar um desgaste prematuro das mandíbulas do macaco. Éimportante consertar a cordoalha exposta antes da concretagem.
4. Se mais de 25 mm de comprimento dela estiver exposta, a área sem bainha é excessiva, então repare a bainha logo atrás da placa de ancoragem. Se a área for de difícil acesso, devido ao aço de fretagem ou outras obstruções, faça um corte circular sobre a bainha situada atrás da placa de ancoragem entre 45 e 60 cm, deslize a bainhaadiante até que toque na placa de ancoragem e então repare a parte nua num local fora da região congestionada. A segunda opção tem a vantagem de deixar a área mais crítica (numa zona até 30 cm atrás da placa de ancoragem) revestida com um tubo plástico.


5. A qualidade da montagem pode ser comprometida por pessoas caminhando sobre os cabos antes da concretagem. As fôrmas para nicho devem...
tracking img