Emile durkheim

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1195 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
BAGNO, Marcos. Preconceito Lingüístico. 26. ed. São Paulo: Loyola, 2003
1. A MITOLOGIA DO PRECONCEITO LINGÜÍSTICO
“ O preconceito linguístico fica bastante claro numa série de afirmações que já fazem parte da imagem (negativa) que o brasileiro tem de si mesmo e da língua falada por aqui. “ p.13
O preconceito linguístico é muito comum em nossa sociedade. No nosso dia a dia, nos rádios ,nosprogramas de TV, nas escolas, nos livros, em revistas no meio em que convivemos sempre nos querem ensinar o que certo ou errado na hora de falar ou de escrever.
1.1.Mito n° 1: “A língua portuguesa falada no Brasil apresenta uma unidade surpreendente”
“É preciso, portanto que a escola e todas as demais instituições voltadas para a educação e a cultura abandonem esse mito da “unidade” do portuguêsno Brasil e passem a reconhecer a verdadeira diversidade linguística de nosso país para melhor planejarem suas políticas de ação junto à população amplamente marginalizada dos falantes das variedades não padrão.” P.18

No Brasil as escolas cobram uma gramática normativa dos alunos que dificilmente é utilizada no dia a dia, e dependendo da idade do estado, região ou condição social que esteindividuo vive ele não vai utilizar nunca, mais isso não quer dizer que está pessoa não saiba falar o português ou que seja ignorante, ela simplesmente fala o seu português, o de sua região ou o do ambiente em que ela cresceu e vive. As escolas deveriam abandonar esta “unidade do português” e reconhecer que no Brasil a uma grande diversidade linguística e que todos falam português, e que ninguémdeveria ser discriminado pela sua forma de falar.
1.2. Mito n° 2: “ Brasileiro não sabe português/ Só em Portugal se fala bem português”
“E essa história de dizer que “brasileiro não sabe português” e que “só em Portugal se fala bem português”? trata-se de uma grande bobagem, infelizmente transmitida de geração a geração pelo ensino tradicional da gramática na escola. ”p.23
Por ter sido uma colôniaportuguesa fala-se que no Brasil falamos o português, mas a décadas já usamos a nossa gramática que se diferencia da gramática do português de Portugal.
“O brasileiro sabe o seu português, o português do Brasil, que é a língua materna de todos os que nascem e vivem aqui, enquanto os portugueses sabem o português deles.” p.32
Nós brasileiros temos nossa maneira de falar o português apesar determos sido colônia de Portugal. Ao longo dos anos nossa língua passou por mudanças na forma de falar pelas diversas influências que tivemos de imigrantes italianos, negros e ate mesmo os indígenas, que já viviam aqui e ajudaram a modificar esta forma de falar. E quando nascemos já aprendemos esta língua que muda de região pra região do país, por isso o português falado em Portugal muitas vezes setorna incompreensível para nós brasileiros
1.3. Mito n° 3: “Português é muito difícil”
“Se existisse Língua “difícil”, ninguém no mundo falaria húngaro, chinês ou guarani, e no entanto essas línguas são faladas por milhões de pessoas, inclusive criancinhas analfabetas!” p.36
Qualquer língua é fácil quando a pessoa cresce escutando falar daquela forma. Se nas escolas não fosse tão cobrada agramática normativa e sim o português que realmente usamos no nosso cotidiano respeitando alguns limites é claro, os alunos terminariam seus estudos mais confiantes para escrever uma redação ou ate mesmo um livro.
1.4. Mito n° 4: “As pessoas sem instrução falam tudo errado”
“Se dizer , praca, pranta é considerado “ errado”, e, por outro lado dizer frouxo, escravo, branco, praga é considerado “certo”issose deve simplesmente a uma questão que não é linguística, mas social e política...” p.42
As pessoas sem instrução que normalmente trocam o L pelo R, não quer dizer que elas não saibam falar o português, mas elas têm a sua forma de falar. Isso é uma questão política e social que considera o português falado por estas pessoas feio sendo que é apenas diferente.

1.5. Mito n° 5: “O lugar que...
tracking img