Efeito da auxina sobre o crescimento de raízes adventícias em estacas.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (902 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Efeito da auxina sobre o crescimento de raízes adventícias em estacas.

1.0 INTRODUÇÃO
A propagação de roseiras pode ocorrer por via sexuada, por sementes, ou assexuadamente, por rebentos nascidosdas raízes, alporquia e mergulhia (SILVA JÚNIOR e OSAIDA,2006),estacas caulinares herbáceas (SILVA, 1999)e também por meio da micro propagação (PEREIRA,1998).
As auxinas são os reguladores vegetaiscom maior efetividade na promoção do enraizamento, cujo principal efeito está ligado à sua ação sobre a iniciação dos primórdios radicais.
Quando a auxina é aplicada em segmentos do caule, otransporte polar causa um rápido acúmulo da substância na porção basal, e, após algum tempo, a auxina acumulada nesse local poderá causar a produção de uma dilatação ou calo, com muitas células, formandonovos centros meristemáticos ou ativando meristemas existentes que induzem a formação de raízes (HARTMANN et al. 2002).
Dos fatores externos que influenciam na formação de raízes, o substrato utilizadopara o enraizamento de estacas é de grande importância na propagação vegetativa, pois, ele é o meio onde as raízes se desenvolvem e deve ser permeável, poroso, bem drenado, livre de patógenos, pragasepropágulos de ervas daninhas e ter baixa densidade
(KÄMPF, 2000; WENDLING et al., 2002), bem como disponibilidade e viabilidade econômica.
Pela importância comercial na fabricação de perfumes comespécie, são poucos os trabalhos publicados sobre a produção de mudas por propagação vegetativa,estando, segundo RADOMSKI e SCHEFFER (2004),os estudos sobre a espinheira-santa restritos às áreas defármacos, sendo, portanto, pouco relacionados aos aspectos ecológicos e de manejo.

2.0 OBJETIVO
O presente trabalho teve por objetivo estudar o enraizamento de estacas caulinares de mini-roseirassubmetidas à aplicação de ácido indol butílico (AIB),
2.1 MATERIAIS E MÉTODOS
A aula prática foi conduzida no laboratório de Fisiologia situado na Universidade Federal do Mato Grosso – UFMT –...
tracking img